33ª.AULA: NÃO VIOLÊNCIA

Plano de Aula

Evangelização espírita infantil

Tema: Não Violência

Ciclo 1- de 4 a 8 anos

Objetivo:

- As crianças deverão perceber que todos nós podemos colaborar para criar um ambiente de amizade e paz em torno de nós. Quando somos crianças boas e simpáticas cultivaremos bons amigos. Que
a violência só gera violência. Violência não é só bater, empurrar,etc, mas também ofender e desrespeitar outras pessoas.

Desenvolvimento:

I Parte:

Preparação do ambiente

– Músicas calmas

- Prece inicial

II Parte:

1. Perguntar as crianças:

- QUEM VOCÊS PREFEREM PARA SER SEU AMIGO: UM MENINO AGRADÁVEL E EDUCADO OU UM MENINO BRIGÃO?

- POR QUÊ?

- Ouvir as crianças

2. Atividade Reflexiva

- Conversar com as crianças as consequências desagradáveis da violência dos "brigões".Dar exemplos da vida infantil. Explicar que a violência não é só bater, empurrar, chutar alguém , mas também ofender, xingar, tratar mal desrespeitar.

3. NARRAR:

- A FLORZINHA AMOROSA

4. Explorar a história avaliando também sua compreensão:

- O que acharam da atitude da Orquídea?

- E do Lírio?

-E da Petúnia?

-Qual dessas flores vocês gostariam de ter como amiga? Por que?

-A atitude de Ritinha no recreio foi parecida com a de qual flor?

Concluir que para viver feliz é preciso respeitar todas as pessoas nunca fazendo o mal.

5. ATIVIDADE CRIATIVA

a) Propor às crianças que recontem a história mudando atitude da orquídea e do lírio

Combinar previamente com o grupo as falas dessas flores e o que acontecerá diferente.

b) Cada criança fará uma dobradura simples de borboleta.

Explicar que as borboletas têm uma "escaminhas" que podem arranhar os olhos. Por isso não devemos segurar borboletas: só as feitas de papel.

III - PARTE – Encerramento com uma prece

- Distribuição de água fluidificada.

HISTÓRIA:

A FLORZINHA AMOROSA

No recreio da escola, Ritinha organizava a brincadeira

- Joana, Lina, Lucinha, venham para o meu grupo!...Você não Ivete!

- Por que não, Ritinha?

- Você está muito gorda! Não vai correr direito! Você também não vai brincar no meu grupo.

Alfredo! Menino atrapalha!...

A professora observava tudo. Quando retornaram à sala, ela disse que ia apresentar um teatrinho e era importante que prestassem muita atenção

E o teatrinho começou (narrar utilizando o recurso de teatro de vara)

NARRADOR:

Três borboletas voavam alegres de flor em flor num jardim. De repente, caiu uma chuva forte.

As borboletas corriam para todos os lados à procura de um abrigo quando viram uma linda orquídea amarela onde poderiam pousar. A borboleta amarela aproximou-se e falou:

BORBOLETA AMARELA:Amiga orquídea podemos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?

ORQUÍDEA: Nada disso! Não sou guarda-chuva! Não vê que sou uma flor rara? Procurem outro lugar. O problema é de vocês.

NARRADOR:

- As borboletas levaram um susto com a agressividade da orquidea.Voaram para longe até que viram um lírio muito branco

- BORBOLETA BRANCA: Sr. Lirio Branco poderiamos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?

- LIRIO: - Você pode porque é da minha cor. As outras borboletas não! Não me misturo!

- Borboleta branca:- Então nada feito! Só ficaremos juntas. Amiga Petúlia, poderiamos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?

- PETÚNIA: - Claro que sim. Vou procurar abrir um pouco mais a minha flor para abrigar vocês três.

- Que alegria ser útil!

BORBOLETAS:- Obrigada, obrigada...

NARRADOR: Quando as borboletas iam voar para a Petúnia, a chuva passou e o Sol bem forte apareceu, secando as asas das borboletas enquanto voavam. Elas não precisaram mais abrigar-se na Petúnia,mas uma grande amizade surgiu a partir daquele momento.

(TERMINAR COM AS BORBOLETAS POUSANDO JUNTO Á PETÚNIA).

Ao acabar o teatro a professora viu que Ritinha aproximou-sede Ivete e Alfredo, falando-lhe:

- Desculpem-me pelo que fiz na hora do recreio.