PREPARAÇÃO DO AMBIENTE PARA O TRABALHO

Antes de se iniciar qualquer aula, é importante preparar o ambiente físico e espiritual.


a) Ambiente Físico


É representado por tudo aquilo que a criança têm ao alcance de seus sentidos materiais, para seu crescimento e desenvolvimento, desde os objetos que manuseia até as características visuais e os ruídos.


Para um bom desenvolvimento de nossas atividades, é importante que o meio favoreça a liberdade de movimento e de expressão dos alunos, que eles se sintam à vontade para o trabalho, o estudo, a pesquisa, o jogo, a brincadeira e a descoberta.


Na preparação do ambiente físico, observaremos as condições de: limpeza, iluminação, mobiliário, ventilação, decoração e material.


Todos os elementos do ambiente devem proporcionar uma sensação de harmonia e ordem, que conduzirão a criança à organização interna, à disciplina e à tranqüilidade.


Poderá haver um canto destinado a tapetes (esteiras, almofadas, etc.) em quantidade condizente com o número de alunos, que as crianças serão orientadas a utilizar com cuidado e guardar em ordem. Alguns livros poderão estar disponíveis e até jogos, caso o Centro não conte com uma Biblioteca Infantil.


b) Ambiente Espiritual


A Educação da Criança e do Jovem não é uma tarefa restrita a uns poucos trabalhadores dos Centros Espíritas. Numerosos Espíritos estão empenhados neste trabalho, de repercussão profunda na sociedade e no progresso do planeta como um todo. Estes Espíritos se aproximam daqueles que encaram o compromisso com dedicação, seriedade e amor, e os assistem no desempenho de suas atividades.

Para iniciarmos e cultivarmos a afinidade com estes Companheiros, é importante manter sempre pensamentos condizentes com nossos propósitos, estando receptivos a suas
inspirações e intuições.


Mas antes das aulas, é possível estreitar mais os laços de sintonia, reservando alguns minutos à reunião entre os educadores. Num clima de calma e recolhimento, pode-se, então proceder a alguma leitura breve (O MESTRE NA EDUCAÇÃO e outras obras de Pedro de Camargo, por exemplo) seguida de uma prece espontânea.


Não mais que dez minutos são suficientes para que nos situemos longe das preocupações cotidianas e dentro dos objetivos superiores a que nos propusemos.


Autora: Rita Foelker
ritafoelker@edicoesgil.com.br
http://www.edicoesgil.com.br/educador/dinamicas.html