O REI DOS HUMILDES

PREFÁCIO

Este livro conta a história verídica de Antenor de Áquila, que teve a oportunidade de conhecer o Mestre Jesus quando esteve entre os homens, o privilégio de conviver largamente com Simão Pedro, o Apóstolo, e acompanhá-lo nas suas lides de pregação, como um companheiro fiel, partilhando com ele os espinhos e vitórias de um caminho de fé traçado pela antevisão do Cristo.

E' o próprio Antenor que vem brindar-nos aqui com o relato de sua vida difícil ao tempo das persecuções romanas e judaicas ao cristianismo nascente, tempo um tanto nebuloso nos registros históricos, carentes de um enfoque mais vivo como este ora publicado.

O relato circunstanciado de Antenor se faz um documento extraordinário para a nossa época de tanta confusão ideológica, uma vez detalhando e iluminando bastante aqueles dias maravilhoso, em que os apóstolos, os cristãos autênticos saíam por distantes regiões alavancando a disseminação da Doutrina do Amor legada pelo Mestre dos Mestres. Relato precioso, porque testemunhando Antenor os fatos que teve a ventura de presenciar em torno do Messias e de seus seguidores mais estreitos, fatos que marcariam fortemente sua alma com as inapagáveis luzes da maior experiência de fé.

Antenor de Áquila seguiria ainda, sob o mesmo influxo de uma fé grandiosa inspirada pelo Cristo, por várias reencarnações. Assumiria, em nova vida, a figura de um expoente de peso da História, porém aguerrida sob os novos impulsos de poder estatal atingindo a Igreja Católica, cujo poderio representou como líder voltado a batalhas que, nas suas glórias humanas, talvez se pudessem fazer inglórias sob os olhos de Deus.

Mas assim são os caminhos da fé: plenos de percalços, de espinhos, de desencontros, de sacrifícios...

E as portas da reencarnação estão sempre entreabertas. Novos horizontes de aprendizado, novos chamados de fé...

Antenor se tornou então, na França, São Vicente de Paulo (1576-1660), uma figura ainda destacada nas lides da Igreja, porém, mais marcante por sua humildade e plena dedicação à caridade legítima. Criou a congregação das Irmãs da Caridade, de enorme serviço caritativo. Estabeleceu uma notável assistência dentro do trabalho em torno das Crianças enjeitadas, obra e nome que marcariam sobremaneira a preocupação humanitarista desse dedicado padre da Igreja. Criou ainda a congregação dos Padres da Missão (mais tarde nominados Lazaristas), outro seu notável contributo à disseminação e prática do cristianismo.

Agora, em nossos tempos, Antenor reencarnou ainda, assumindo mais uma vez a missão de sobrelevar a fé das criaturas, sob a mão da caridade mais pura, e ainda sob a égide da Igreja Católica. Assumiu a figura feminina de Madre Teresa de Calcutá, iluminando ainda mais a mística Índia, confortando a pobreza e elevando criaturas à confiança de Deus.

O ambiente tão diferente oferecido pela Índia e o apoio de fé representado pelo catolicismo foram o suporte a uma nova e grandiosa missão dessa mulher singularmente corajosa que enfrentou novas batalhas em torno da incompreensão, da indiferença dos homens perante os fatores da fé e da caridade.

Entretanto, não foi somente em torno da Igreja Católica que esse espírito marcou a evolução da Terra com o seu concurso precioso de fé e esclarecimento. A própria Codificação do Espiritismo contou com ele, agora agindo no outro plano ao lado de Santo Agostinho e do Bispo de Argel, na formação de uma tríade que liderou todo o trabalho de transposição da Doutrina dos Espíritos ao plano terreno, ainda sob uma liderança maior de outro espírito não menos grandioso.

Antenor de Áquila, na sua nobreza de fé e na sua simplicidade de pregar a legítima caridade, mostrou ainda que não importa a bandeira de crença quando fala mais alto o chamado glorioso do Cristo para o testemunho do espírito nas mais diversas quanto mais espinhosas circunstâncias.

Esse espírito, cuja grandeza moral e simplicidade de ser pudemos constatar através de seu verbo Psicofônico pelo médium João Berbel, vem mostrar aqui, como testemunha viva da História dos fatos, porque a Luz que a Galiléia foi e e de fato o Rei dos Humildes.

Tenhamos então a humildade de lê-lo entendê-lo, imitá-lo naquilo que adquiriu de conhecimento e fé como humilde e fiel servidor do Cristo.

Os Editores

..1 - APRESENTAÇÃO

..2 - SURGE UM NOVO REI
..3 - NO EXÉRCITO ROMANO
..4 - MARCHA PARA O AMOR
..5 - NA GALILÉIA
..6 - ENCONTRO COM PEDRO
..7 - TORNEI-ME CRISTÃO
..8 - JESUS É PRESO
..9 - JESUS RESSURGE
..10 - DISCÍPULO DE PEDRO
..11 - PROSSEGUE A PREGAÇÃO
..12 - NOS CAMINHOS DE ROMA
..13 - A PARTIDA
..14 - COM O MESTRE NO ALÉM
..15 - INVOCAÇÃO FINAL
..16 - DE ROMA A CALCUTÁ