ALEGRIA

Toda a Boa Nova é uma epopéia de júbilos. Nasce Jesus nos dias alegres de um recenseamento romano e morre durante os festejos pascoais.

A Sua jornada é toda um hino de amor à vida, em que espocam infinitas alegrias nas criaturas humanas.

O Seu ministério faz-se enflorescido pelas bênçãos da alegria que Ele faculta a todos que O cercam.

Suas parábolas e palavras de engrandecimento moral e de libertação das paixões podem ser consideradas como um cântico de alegria para todos os seres.

Mesmo quando a ingratidão O fere e persegue, suas lágrimas são de piedade pelos homens, sem que abandone a perfeita alegria do amor que O une ao Pai.

Não digas que o Evangelho, chamando-te à responsabilidade e ao serviço do bem, torna-te entristecido. Evita a sizudez e a carranca.

Cenho carregado, quase sempre reflete conflito íntimo, problema e amargura...

Quem trava contato com a lição de vida da Boa Nova, já não tem porque ser infeliz.

Sabendo que a vida física é transitória, converte as dores de hoje em esperanças de amanhã e exulta de sã alegria.

A alegria, porém, não deve ser confundida com a balbúrdia, a gargalhada nem o vozerio.

Ela se exterioriza na correta satisfação dos deveres cumpridos, na tranquilidade diante dos aparentes infortúnios, na confiança irrestrita do Bem, na harmonia íntima e no otimismo sem exagero diante das coisas.

Alegria é vitória sobre o receio e triunfo sobre as paixões.

Quem está informado da verdade, sabe; quem sabe, rejubila-se.

*
Faze da tua vida um exemplo de alegria para os outros.

Esparze o teu júbilo com os que choram, e contamina de alegria os que perderam as motivações para lutar, perseverando no dever, demonstrando-lhes que a noite é véspera do amanhecer, quanto a sombra é somente a ação da luz ausente.

Desperta no teu irmão interesse pela vida e estimula-o a fruir ajusta alegria de viver.

A tristeza não projeta luz no caminho em trevas.

O pessimismo mais dificulta a solução dos problemas.

A melancolia tisna a clara visão da realidade.

Contempla a natureza e alegra-te ante a exuberância da vida, em cor, som e beleza.

*
Se acolheres a alegria na alma, haverá sol no teu labor.

Em qualquer circunstância, alegra-te.

E mesmo que te advenha a desencarnação, anunciada através da enfermidade, alegra-te, porque ela será o veículo da tua plena e total libertação, para o ingresso no reino da alegria perfeita.

Joanna de Ângelis