JESUS E MADALENA

PREFÁCIO

Uma aura de mistério se fez em tomo de Maria Madalena, mulher singular que soube amar Jesus com uma amplitude de pureza inigualável, tanto quanto puríssimo era o amor do Cristo por aquele ser que de repente tanto se transformava ao contato com a Luz do Mundo.

Como pôde aquela mulher romper a barreira do machismo e humildemente integrar-se ao grupo dos doze apóstolos? Como foi o encontro e o relacionamento de Jesus com tal mulher considerada de má fama? Por que foi justamente Madalena aquela que primeiramente viu Jesus em espírito, após a sua morte? Que tipos e razões de privilégios tinha tal mulher perante a figura luminosa de Jesus e sua missão extraordinária?

Tais perguntas são efetuadas há dois mil anos pela História — esta História que tão pouco registrou das vivências de Jesus com os seus seguidores, abeberando-se apenas nas parcas referências dos Evangelhos. E das névoas envolvendo aquele passado grandioso é que a figura de Maria de Magdala vem emergindo sob o colorido da lenda e da fantasia.

Lendas e lendas... Algumas singelas, ingênuas, cheias de encanto, e outras repassadas pela imperfectibilidade humana no querer extrair da pureza a impureza que lhe satisfaça o desejo de espelhar-se em alguma coisa.

Sim, lendas também insufladas de muita maldade, de muito despropósito, de muita impertinência, de muita inconsistência fizeram da dupla Jesus e Maria de Magdala aquela mancha negra que pudesse desacreditar a pureza sentimental de uma mulher e a integridade moral daquele que é o próprio Governador da Terra.

O vapor da lenda fez com que Maria de Magdala e mais duas Marias viajassem até os domínios das Gálias, para ali levando o Santo Graal ou o próprio sangue de Jesus recolhido na cruz. E mais longe se foi, declarando que, nessa viagem não tão definida, uma própria filha de Maria de Magdala veio para o Ocidente para perpetuar o sangue, a descendência de Jesus.

Uma avalanche de papéis e livros inundou o planeta, nestes últimos anos, tentando macular a imagem de Maria de Magdala e, em decorrência, a própria imagem do Cristo, concedendo-lhe o desejo de beber no cálice da impureza que, estando na alma da humanidade, quer-se também colocar na alma desses dois seres que, na realidade que a História provará, estão bem longe dessas cogitações apressadas e aviltantes saídas das mentes de exegetas e escritores inescrupulosos.

Foi tentando jogar uma gota de verdade nesse oceano de desinformações e fantasias tendenciosas que tentamos obter da Espiritualidade uma resposta de luz que pudesse falar a linguagem da coerência ao ouvido daqueles que ainda podem distinguir o som superior daquele que vem dos ruidosos tambores das trevas.

Ora, essa oportunidade nos foi oferecida há pouco, quando pudemos contar com a boa vontade do médium João Berbel e, mais ainda, do caríssimo irmão Darúbio da Galiléia (Padre Pio de Pietrelcina), prestigiando o nosso trabalho de recepção de livros mediúnicos.

Darúbio, primo de Jesus, soube retratar magistralmente as suas vivências com o Mestre da Luz ao repassar-nos mediunicamente, ainda através do nosso caro João Berbel, a sua belíssima obra intitulada O Evangelho de Darúbio. É um livro que vem acrescentar muito e muito à historicidade e aos episódios da vida de Jesus. E, estando Darúbio disponível entre nós, ocorreu-nos o desejo de indagar-lhe sobre os seus contatos com Maria de Magdala e desta com Jesus. Ora, esse bondoso e humilde Irmão nos acudiu em nosso sincero desejo de obter informações mais confiáveis sobre essa mulher que muitíssimo admiramos: prontamente se pôs a responder algumas poucas perguntas. Daí surgiu então esta nossa pequena obra que, pelo seu conteúdo e procedência, consideramos uma importante obra, quando vem melhor aclarar as origens e a vida de Maria de Magdala, tanto quanto vem resgatar aquela luz maravilhosa que imperou no verdadeiro contato dela com o Mestre dos Mestres.

Portanto, felizes estamos por ventilar sob novas luzes esse tema que tem suscitado tanta desinformação, tanta inverdade, tanta difamação, tanta incredulidade entre os nossos irmãos terrenos.

É uma felicidade que, bem sabemos, atinge também nossa queridíssima irmã Maria de Magdala, que há muito vinha almejando passar aos encarnados algo de sua verdadeira história e de sua verdadeira vivência ao lado de Jesus e seus discípulos. Foi o que ouvimos do nosso próprio Irmão Darúbio: em nossa tenda de trabalho, estando mediunizado João Berbel, Darúbio chorou de emoção em certo momento em que dava resposta a algumas de nossas perguntas sobre Maria de Magdala, e desculpava-se dizendo que essa Irmã maravilhosa lhe beijava o rosto e os cabelos naqueles instantes, em gratidão pela oportunidade de ser esclarecida alguma coisa sobre a sua vida ao lado de Jesus.

Devemos salientar aqui o que foi confirmado por Irmão Darúbio: numa de suas reencarnações, Maria de Magdala foi aquela que a Igreja Católica canonizou sob o nome de Santa Rita de Cássia. Ora, a verdadeira trajetória de Maria de Magdala ao longo dos milênios pode ser acompanhada através dos livros mediúnicos O Centelho Divino e Rosa e seus Girassóis, também intermediados por João Berbel, onde a própria Maria de Magdala (ora Santa Rita de Cássia) vem reavivar várias de suas existências, inclusive uma reencarnação em nossas Minas Gerais.

Aquele que desejar conhecer algo mais sobre a vida de Maria de Magdala ao tempo de Jesus deve ler a importantíssima obra O Evangelho de Ingrid, igualmente intermediada por João Berbel e de autoria espiritual de Ingrid, Princesa da Pérsia ao tempo de Jesus.

O Evangelho de Ingride uma obra belíssima, dessas jóias raras com que às vezes a Alta Espiritualidade presenteia a nossa humanidade. Ali conhecemos de perto o heroísmo daquela rainha que tudo abandonou para ser uma seguidora fiel de Jesus, as virtudes daquela mulher que teve a oportunidade de conviver com outra maravilhosa mulher: Maria de Magdala. Ingrid, Maria Santíssima e Maria de Magdala são três seres de esplendor que se uniram em torno de Jesus, deslumbradas com a sua figura e o seu evangelho. E o espírito Ingrid, retornando a estes albores do Terceiro Milênio, soube relatar vivamente, com grande riqueza de detalhes e emotividade, o seu encontro, o encontro de Jesus e o encontro de Maria de Nazaré com Maria de Magdala, os episódios que giraram em torno dessas figuras grandiosas. Ali estão fielmente retratadas a verdadeira figura e a verdadeira história de Maria de Magdala, principalmente depois que conheceu Jesus.

Na narrativa de Ingrid, eis Maria de Magdala revelando muitos ensinos novos passados por Jesus ao seu tempo, ensinos luminosos que Ingrid soube muito bem repassar, sempre destacando as virtudes daquela mulher de Magdala que se lhe tornou uma grande amiga, daquela que, ao desencarnar, leprosa entre os leprosos, teve a ventura de ser acolhida pelo próprio Mestre da Luz, além de reintegrar aquele grupo esplendoroso de espíritos em que Maria de Nazaré era a figura central ao lado de Jesus.

Por gratidão imensa a Santa Rita de Cássia (ou Maria de Magdala), devemos relembrar e louvar o fato de que essa irmã querida desenvolve um trabalho maravilhoso no plano espiritual, um abnegado labor de assistência aos enfermos, quase sempre prestigiando também, com sua presença luminosa, o gigante trabalho de curas espirituais desenvolvido pelo nosso IMA- Instituto de Medicina do Além, em Franca.

Obrigado, Irmão Darúbio! Louvores a ti, Maria de Magdala—tu que te tornaste santa para, ao lado de Maria Santíssima, perfumar o imenso jardim que é a nossa humanidade tão sofrida!

Os Editores

..1 - SÃO PADRE PIO

..2 - FILHOS E FILHAS DE DEUS
..3 - ENCONTRO COM JESUS
..4 - AO LADO DE MARIA DE NAZARÉ
..5- VENCEM A CORAGEM E O AMOR
..6 - O EVANGELHO DE MADALENA
..7 - REENCARNAÇÕES
..8 - APÊNDICE