OUTRAS VIDAS

1 -PREFÁCIO

Em minhas andanças pe!a Europa, onde me sentia em casa por lembranças de outras vidas ali vividas, em outros tempos, fui parar, mercê da gentileza dos Assessores do Governo Português, nas escavações que revelaram Conimbriga, que fica num local entre Lisboa e Coimbra atuais, uma cidade que deve ter sido, por sua pujança e progresso revelados, uma espécie de capital da Peninsula Ibérica, conquistada pelo Império Romano.

Nessas escavações foi encontrada uma bela mansão, resgatada de cerca de duzentos anos antes de Cristo, pelos arqueólogos que trabalham desde 1930. Num dos cômodos dessa mansão havia o esqueleto de uma mulher adulta jovem e o de uma criança com cerca de um ano de idade, segundo constatação dos eruditos pesquisadores e cientistas.

Fui tomada de intensa emoção ao deparar com os esqueletos e "vi" o que ali havia acontecido, como vem descrito no começo deste livro. Senti também que as personagens me tocavam muito de perto, porque eu já as conhecia de outras vidas, mais atuais, conforme aparecem no meu livro "O sequestro".

Depois, ao longo dessa mesma viagem que se iniciou em Portugal e seguiu por outros vários países da Europa e mais tarde ainda mais outra, na França, Espanha, Inglaterra, Bélgica e Alemanha, pude descobrir lugares onde eu sentia terem vivido personagens que faziam parte de uma história que começava a delinear seu esboço na minha mente e que povoava os meus sonhos, como se realidade fosse. Mas, eu pensava que tudo fosse apenas fruto da minha imaginação encorajada pelas leituras e viagens e não encontrava muita verossimilhança nessas histórias que me pareciam por demais fantasiosas.

Foi então que, "por acaso", recebi de presente dois belos livros da Coleção "Histórias da Vida Privada", urn tratando da Europa feudal a Renascença (do século X ao século XV) e da Renascença ao século das luzes (do século XV ao século XVIII).

Esses livros, sérios e eruditos, foram escritos por historiadores franceses de renome internacional, as maiores sumidades nesses assuntos e apresentam o resultado de muitos anos de estudos e pesquisas. Foi neles que encontrei a confirmação histórica da maioria dos fatos que eu conhecia por intuição e que vinham relatados inclusive com os nomes dos lugares e as datas dos acontecimentos que atestavam a verossimilhança de tudo aquilo que eu já havia arquitetado em minha mente.

Até os nomes estranhos que me vinham a memória eu os encontrei citados não só nos relatos de acontecimentos históricos como também em árvores genealógicas que foram pesquisadas em documentos e vinham descritas nesses legitimos documentos que formam o conteúdo da coleção "Histórias da Vida Privada".

Os castelos e suas respectivas lendas e histórias eu os fui conhecendo ao vivo, também meio "por acaso", pois não fui eu que fiz o roteiro da viagem e nem sabia o quanto dessas histórias e lendas seria do conhecimento dos guias de excursão que nos acompanhavam. Eu ficava assombrada e perplexa ouvindo as explicações dos guias das excursões em locais como a fronteira da França com a Bélgica e a Alemanha, o interior da França, Vale do Loire, Vale do Reno, litoral da Inglaterra, que vinham ao encontro com tudo o que estava esboçado em minha mente. Vi conventos antigos que outrora foram hospitals e asilos de velhos da nobreza, cujos conventos estão ainda hoje bem conservados e ouvi sobre seus usos e costumes, suas épocas de fastigio e os eventos ali transcorridos ao longo dos tempos, citados pelos guias das excursões e confirmados depois nas pesquisas feitas em mapas e em livros históricos de comprovada idoneidade.

A parte referente a Numância e a sua atuação heróica na luta contra a dominação do Império Romano, eu tambem encontrei "por acaso " em um livro que me foi emprestado, que tratava da Provincia de Soria na qual fica a Numância, na Espanha, livro muito sério de uma coleção publicada na Espanha, com respaldo oficial. E Iá na Numância também aconteceu algo muito importante, com outra história ligada a colonização da América do Sul no século XVI, da qual poderá resultar tambem, no futuro, outro livro. Mas, essa será outra vida, de outro livro. Voltemos a este nosso "Outras Vidas ".

Depois de tudo isso que ai fica relatado, então, humildemente, cheguei a conclusão de que tanto "O Sequestro" quanto este outro livro "Outras Vidas", embora não sejam psicografados, não são inteiramente meus, a não ser no que concerne as pesquisas comprobatórias feitas por mim em livros, mapas e viagens, mas são, na verdade, produtos de intuição e orientação de outros "autores", muito superiores a mim, que tudo conhecem, aos quais procurei e procurarei sempre servir e atender da melhor maneira possivel ao meu alcance.

A autora Bauru, Janeiro de 1996.

ISOLINA B. VIANNA