NOSSAS VÍTIMAS

Quando vivemos na carne somos, em muitas circunstâncias, algozes de outras vidas.

Não nos reportamos aos insetos que esmagamos sob os pés ou aos múltiplos animais de que nos alimentamos durante a existência física, nem aludimos às legiões de vítimas do pretérito que nos espreitam e, freqüentemente, nos abordam em processos obscuros de influenciação espiritual; observamos as nossas vítimas humanas do cotidiano, de toda hora.

Há muitas faltas que praticamos incautamente, daí nascendo muitas ocorrências de antipatia gratuita, diante das quais somos defrontados por semblantes frios e gestos hostis, sem saber a razão ...

Por isso, a humildade é a maior prova de sabedoria humana e eis por que carecemos, acima de tudo, de doar o perdão incondicional, a fim de merecê-lo conforme as nossas próprias necessidades.

A rigor, não existem inocentes na Terra.

Todos nós, Espíritos endividados com o passado, transportamos conosco as marcas de culpas individuais ou coletivas.

Todo ser consciente tem suas vítimas pessoais, vítimas conhecidas e insuspeitas, vítimas de dentro e de fora do lar.

Basta relacionemos algumas delas:

- Aqueles a quem ferimos, através de comparações ultrajantes;

- Os que prejulgamos com notória descaridade;

- As crianças que relegamos ao abandono;

- Os velhinhos que entregamos ao desamparo;

- Os amigos cuja sensibilidade dilaceramos pelo abuso do anedotário inconveniente;

- Os familiares que nos toleram as atitudes viciosas e as crueldades mentais;

- Aqueles a quem acusamos sem pensar;

- Os irmãos em erro, aos quais subtraímos deliberadamente as oportunidades de reabilitação;

- Os ausentes que, em muitas ocasiões, nunca vimos e cujo nome salpicamos com lodo de sarcasmo, a golpes de maledicência na praça pública;

- As mães doentes que passam por nós esmolando uma côdea de pão e às quais receitamos serviço inadequado, que não colocaríamos sobre as próprias alimárias domésticas.

Desiste de viver desapercebidamente dos nossos deveres de serviço e fraternidade, à frente uns dos outros.

Não te esqueças de orar por tuas vítimas e nem te negues a perdoar quem te magoa. Não raro, aqueles que nos rogam perdão são aquelas mesmas criaturas de quem precisamos recebê-lo ...

EURÍPEDES BARSANULFO - SEAREIROS DE VOLTA