COISAS DA VIDA NA VISÃO ESPÍRITA

A - Esclarecendo...

Os painéis continuam surgindo; são inúmeros, impossível relatá-los na totalidade; todos apresentam alguma circunstância específica, mas sempre guardam relação de semelhança com passagens da minha e da tua vida.

No correr das linhas expostas, o leitor encontrará a oportunidade de se posicionar diante de muitas situações pelas quais atravessa, atravessou ou atravessará; podendo, inclusive, mirar-se em alguma atitude textualizada enfrentando a situação, com o intuito de minimizar o seu contexto, saná-lo ou torná-lo um caminho.

Os momentos apresentados são reflexos de fatos reais, vividos por muitos de nós no cotidiano. Por isso mesmo, no percorrer das linhas poderás internar-se nas conjunturas, e neste mergulho inspirador subtrair subsídios para aplicá-los nos passos seguintes, e, quem sabe, seja este o átimo precioso capaz de expor a tela com a resposta interventora e solucionadora da anormalidade considerada.

Eis por que, embora impossível mostrar todas as paisagens, possível é colocar-te dentro das poucas expostas, pois como Espíritos em aperfeiçoamento neste mundo guardamos princípios que se fazem correntes em todos nós, já que o fato de aqui estarmos decorre das quedas e quedas armazenam imperfeições, e estas têm um mesmo começo: o egoísmo.

A sequência dos capítulos acontece na ordem alfabética dos títulos.

A razão de tal organização deve-se à orientação espiritual recebida, quando de minha preocupação, procurando qual alinhamento seguir.

Boa leitura!

B - Aos Orientadores Espirituais,

Meus agradecimentos aos Amigos do plano extrafísico pelo acompanhamento criterioso e orientador às minhas tarefas, principalmente quando me proponho à mediunidade com Jesus.

Não seria demais dizer que a estes Irmãos cabe o mérito pelo conteúdo esclarecedor desta obra. Atuei como um simples transferidor, trazendo para o papel a ocorrência, o porquê, a informação, a orientação, o ensinamento, o aconselhamento, a imagem e uma proposta ética e apaziguadora no conteúdo de cada capítulo; não deixando de inserir diretrizes capazes de encaminhar para resultados positivos.

Coloco minha pouca bagagem a serviço dos Benfeitores com um único propósito: deixar que, embora parcos, mas iluminados pelos Irmãos-Amigos, meus ínfimos faróis possam ajudar a clarear os obstáculos que permeiam não só os teus caminhos, prezado leitor, mas, também, os meus próprios passos.

Obrigado, queridos Irmãos-Amigos.

Deus os abençoe !

C - Relembrando: Painéis da Vida

Surpreendemo-nos, algumas vezes, diante dos grandes quadros surgidos, a cada instante, no transcorrer das horas, na nossa existência de encarnados. Extasiados, muitas vezes, frente a inúmeros problemas eclodidos na estrada de cada um de nós; outras vezes, embasbacados por assistirmos desenvolvimentos calcados em verdadeiras utopias ou discernimentos esdrúxulos ao extremo.

Enfim, os painéis da vida são as obras exuberantes, maravilhosas, esplendorosas, desmoralizadoras, inconsequentes, fúteis, descaridosas e todas as mais qualificações possíveis; entretanto, significativas para os momentos vividos e os que serão presenciados no amanhã.

Não fiquemos simplesmente a bater palmas ou clamando lamentos. Temos compromissos com as construções materiais e espirituais que nos rodeiam. Somos filhos de Deus, portanto autores e coautores dos enredos, principalmente daqueles mais presentes em cada átimo da existência.

O Pai Celestial disponibiliza a cada filho o livre-arbítrio, os benefícios da Natureza e as Leis Universais que regem todos os comportamentos do finito e do infinito, como avaliam as ações e as atitudes dos seres, ditos, animados e inanimados.

Como coautores não só temos compromissos para conosco, mas, também, para com o próximo e para com tudo o que nos cerca. Embora o livre-arbítrio nos deixe à vontade quanto à obrigação, não há como nos isentarmos da responsabilidade de filhos e, da mesma forma, dos deveres implícitos para com aqueles que nos são colocados na posição de consanguíneos ou por misericórdia divina chegam ao nosso convívio para receberem, primordialmente, na fase infantil, princípios educativos e elucidativos, visando melhor orientação dos seus novos passos.

Somos filhos cuidando de filhos. Observemos a bondade do Pai: - nos eleva à sua condição, a fim de que sejamos um colaborador incansável na sua magnífica Obra Infinita... Somos deuses!

O que esperar de obras indevidamente projetadas e construídas irregularmente? Isto, sem o aprofundamento nos dissabores das ações imprestáveis, pois quase sempre a elas nos subordinamos.

Sejamos fiéis aos contextos doados pelo nosso Irmão Jesus. Os quais, em seus bojos, nas entrelinhas e em cada intervalo de uma a outra palavra, traduzem, face à energia concentrada pelo Mestre em cada letra, as luzes nas quais devemos nos banhar para absorvermos as diretrizes dos retilíneos caminhos a seguir.

O homem, ainda, iludido pelo imediatismo, vê no prazer mundano imagens que só os conteúdos endógenos de sua mente dispõem. Abraça-as e, faz destas molduras criadas a partir de pensamentos egoísticos, quadros para vivenciar na trajetória terrestre. Invade-lhe os sumos fluídicos das paixões grotescas com que se afina e, por consequência, atrai as imagens reais para serem contemporizadas ao longo das horas de um prazer que, mais tarde, em estado putrefato o fará verter pelos poros e pensamentos cargas energéticas de dores e sofrimentos.

O Ser racional se deixa invadir pela pseudoquietude da irresponsabilidade, dosando à sua frente os obstáculos de inoperância que o agasalharão com mantos de conflitos atordoantes. Para saná-los, no amanhã, somente com transcendental responsabilidade.

Aquilo que o procurava para um deslanchar em ascendente evolutivo, hoje se torna um trabalho incomensurável, onde as energias terão que extrapolar todas e quaisquer vontades materiais inferiores, cedendo espaço para um despertar compulsório e imediato, a fim de dialogar com a dor para observá-la esvair-se, porém, vagarosamente.

Todos conhecemos, embora não no mesmo grau, alguns segredos do ir e vir. Afinal, já encarnamos, desencarnamos e reencarnamos várias vezes. Não importa em qual mundo; o que se evidencia é o crescimento; ontem, habitávamos uma célula em um dos corpos físicos conduzidos pelo Mestre Jesus, como diz Pastorino: "Esta humanidade que aqui vive, é constituída das antigas células que, em épocas imemoriais, formaram os corpos de Jesus durante sua passagem pela escala hominal em outros planetas"; hoje, temos a condição de homens, ou seja: movimentamos uma ferramenta facilitadora, o corpo físico, capaz de nos permitir as aprendizagens necessárias à conquista de melhores e mais sábios momentos; assim como propiciadora e sensora de inúmeras variáveis que se entrelaçam na incalculável Obra de Deus.

Somos detentores de conquistas e derrotas, várias. Se transitamos sobre o solo terrestre, neste século, é porque nossos conhecimentos são capazes de nos colocar em sintonia com o progresso do planeta, pelo menos, em ordem de grandeza. A dinâmica ou a inércia é escolha de cada um.

Considerando este diagnóstico, temos todos a sensibilidade constituída a modo de introverter a benignidade que já se irradia nos ares terrestres. Os possíveis desvios dos germens das virtudes devem ser eliminados nas primeiras investidas. Não importa, no caso, se o desvio dirigiu-se a nós ou dele nos aproximamos. Conscientemente, possuímos todos os mecanismos repudiadores da instalação de fatores depreciativos. Então, façamos imperar os ensinamentos de Jesus.

Evidenciada fica a imediata necessidade de atuarmos na vida como Espíritos, espiritizados e educados. Isto é, interiorizar a visão de que nossa casa é o Universo e, tudo o que nele existe são recursos estratégicos para nossa evolução espiritual; não somos donos; somos simples usuários dos benefícios, portadores de qualidades capazes de nos tornarem melhores, para novas investidas nas correntes impassíveis que nos conduzirão à paz.

Roberto V. Quaresma


..CAPÍTULO 1 - ACABEI COM AS COISAS DE MENINO

..CAPÍTULO 2 - BENDITAS SÃO AS TREVAS !
..CAPÍTULO 3 - DA LEMBRANÇA AO FRUTO
..CAPÍTULO 4 - DA NOVA ERA À REGENERAÇÃO
..CAPÍTULO 5 - DE JERICÓ A CALCUTÁ: 3.400 ANOS
..CAPÍTULO 6 - ECOSSISTEMA: TEU QUINTAL NA NATUREZA
..CAPÍTULO 7 - ENERGIAS SINGULARES
..CAPÍTULO 8 - MENTE SÃ: CORPOS SAUDÁVEIS
..CAPÍTULO 9 - NA TERRA, UNS DESCEM E OUTROS VIAJAM
..CAPÍTULO 10 - NO SOL DA ATUALIDADE
..CAPÍTULO 11 - NOVOS DIAS: NOVOS CONCEITOS !
..CAPÍTULO 12 - NUANÇAS DO TRATAMENTO ESPIRITUAL
..CAPÍTULO 13 - O DESALINHO DO EGO E O AMANHÃ
..CAPÍTULO 14 - O PORQUÊ DE TANTO AMOR
..CAPÍTULO 15 - OS VENDILHÕES DO TEMPLO
..CAPÍTULO 16 - PENSO, LOGO... ACONTECE !
..CAPÍTULO 17 - PERCEPÇÃO: SOMATÓRIO DE EVOLUÇÃO E AMOR
..CAPÍTULO 18 - PORTAS DA REDENÇÃO
..CAPÍTULO 19 - PROCESSANDO LUZ
..CAPÍTULO 20 - RECODIFICANDO MEMÓRIAS
..CAPÍTULO 21 - SOU O OUTRO?!
..CAPÍTULO 22 - ÚLTIMAS HORAS
..CAPÍTULO 23 - VIVER COM DEUS