A chegada de Paulo a Jerusalém

Tendo nós chegado a Jerusalém, os irmãos nos receberam alegremente. No dia seguinte Paulo foi em nossa companhia ter com Tiago, e estavam presentes todos os presbíteros; Paulo, tendo-os saudado, contou uma por uma as coisas que Deus fizera entre os gentios pelo seu ministério. Eles, depois de o ouvir, glorificaram a Deus, e disseram-lhe: Bem vês, irmão, quantos milhares há que têm crido entre os judeus, e todos são zelosos da Lei; e têm sido informados a teu respeito de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apartarem-se de Moisés, dizendo-lhes que não circuncidem seus filhos nem andem segundo os nossos ritos.

Que se há de fazer, pois? Certamente saberão que tu és chegado. Faze, pois, isto que te vamos dizer: Temos quatro homens que fizeram votos; toma-os, purifica-te com eles e faze a despesa necessária para raparem a cabeça; e saberão todos que não é verdade aquilo de que têm sido informados o teu respeito, mas que andas também retamente, guardando a Lei. Mas quanto aos gentios que têm crido, já escrevemos, ordenando que se abstenham do que é sacrificado aos ídolos, de sangue, de animais sufocados e da lascívia. Então Paulo tomando aqueles homens, no dia seguinte purificou-se com eles e entrou no templo, notificando o cumprimento dos dias da purificação; em que cada um deles deveria trazer a oferenda. - Cap. XXI, vv.. I 7-26.

Os Apóstolos, pelo que se nota da descrição nos Atos, sofriam as maiores humilhações do sacerdotalismo hebreu unido ao governo daquela época.

Não podiam entrar no templo de Jerusalém sem se purificarem e ainda levarem alguns companheiros que haviam passado pelo processo da tal "purificação" segundo o rito judaico.

E eles tinham precisão de ir ao templo, pois, nessas ocasiões de festas era justamente o momento propício de pregarem a Doutrina!

Paulo teve de ceder às injunções dos demais Apóstolos domiciliados em Jerusalém, embora contra a vontade. Mas também não cessava de pregar a purificação do Espírito, que era justamente do que precisavam todos para se aproximarem de Deus.

Paulo sabia que tinha de passar por grandes sofrimentos em Jerusalém, mas não se acovardou; ele queria que a sua estada nessa grande cidade que apedrejava os crentes e matava os profetas que lhe eram enviados, se ouvisse em todos os recantos o eco de suas palavras, a verdade que salva e nos conduz, como sublime e veloz ascensor aos pés de Jesus, o autor e consumador da Fé.

De fato, como se vai ver, a estada de Paulo em Jerusalém, embora causasse dores e agonias para o escolhido de Jesus, foi fértil em sucessos; tão grandes foram que depois Jesus lhe apareceu ordenando-lhe seguisse para Roma, onde também teria muito que sofrer, mas ao lado desses espinhos que brotariam das sementes que levava, floresceriam rosas que serviriam de remédio para abrir os olhos aos cegos que caminhavam na estrada da vida.

Cairbar Schutel