Grande perseguição
contra os cristãos

Naquele dia levantou-se uma grande perseguição contra a igreja de Jerusalém; e todos, exceto os Apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria. E homens piedosos sepultaram a Estêvão. Mas Saulo assolava a igreja entrando pelas casas e, arrastando homens e mulheres, os entregava à prisão. Os que, porém, haviam sido dispersos, iam por toda a parte, pregando a palavra. - Cap. 8, 1 - 4.

Cometida a primeira arbitrariedade, as demais são de fácil execução, pois é sempre a primeira que abre o caminho para as demais.

Nem bem haviam enterrado os despojos de Estêvão, quando o governo de Jerusalém, de que faziam parte os principais sacerdotes, decretou a dissolução da Comuna e a perseguição de todos os cristãos que dela faziam parte.

E como contra a força não pode haver resistência, deu-se, a dispersão dos crentes que se espalharam pelas regiões da Judéia e Samaria, onde atemorizados aguardavam melhores tempos em que pudessem novamente se reunir ao influxo do Espírito.

O déspota nunca age pela razão, mas sim pela força e força bruta, porque para o despotismo não há força moral.

A força moral é companheira da virtude; ela censura, ensina, orienta e corrige. É por meio dela que a convicção " faz e a verdadeira fé se estabelece.

A força física não conhece moral nem virtude; age arbitrariamente, ceifando vidas, desorientando, desunindo, criando fanáticos capazes de apedrejarem os justos.

O déspota não conhece Deus; o seu deus é o mando, o ouro, o ventre. Não se lhe peça justiça porque desta virtude ele só conhece a palavra; sacrifica o Cristo e absolve Barrabás.

Foi o que aconteceu com os primeiros cristãos. Enquanto os ladrões e assassinos caminhavam impunes por Jerusalém, os crentes em Jesus eram dissolvidos e dispersos por paragens ignotas.

Foi a estes e a outros discípulos que haviam dispersado, e se haviam constituído mais tarde em diversas regiões como Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, que Pedro dirigiu, depois, as suas Epístolas, insertas no Novo Testamento; Epístolas essas cheias de substância e que deixam aparecer claramente a excelente Doutrina que ele pregava, muito diferente desses princípios catequistas que deslustram e desnaturam o Cristianismo.

Não resistimos ao influxo que nos guia de transcrever trechos do grande Apóstolo, sem querer por essa forma deixar de recomendar a todos, não só a leitura, mas o estudo atencioso de todas as Epístolas.

Logo no 12 cap. lê-se:

"Bendito seja Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança pela ressurreição de Jesus Cristo, dentre os mortos, para uma herança incorruptível, imaculada e imarcescível, reservada nos céus para vós que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação prestes a se revelar no último tempo. No qual exultais, ainda que agora por um pouco de tempo, sendo necessário, haveis sido entristecidos por várias provações, para que a prova da vossa fé, mais preciosa que o ouro que perece, mesmo quando provado pelo fogo, seja achada para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; a quem, sem o terdes visto, amais; no qual, sem agora o verdes, mas crendo, exultais com gozo indizível e cheio de glória, alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas. Da qual salvação inquiriram e indagaram muito os profetas que profetizaram acerca da graça que devia vir e vós, indagando quando e que tempo era esse que o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava ao testificar anteriormente os sofrimentos que haviam de vir a Cristo e as glórias que os seguiriam; aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para vós, eles administravam estas coisas que agora vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do Céu, vos pregaram o Evangelho; para as quais coisas os anjos desejam atentar".

Mais adiante diz:

"Se invocar como Pai aquele que, sem deixar de se levar por respeitos humanos, julga segundo a obra de cada um, vivei em temor durante o tempo da vossa peregrinação, sabendo que fostes resgatados das vossas práticas vãs, que por tradição recebestes de vossos pais, não por coisas corruptíveis, como o ouro e a prata, mas pelo sangue precioso de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e imaculado, conhecido, na verdade, antes da fundação do mundo, mas manifestado no fim dos tempos por amor de vós, que por Ele tendes fé em Deus que o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de modo que a vossa fé e esperança fossem em Deus. Uma vez que tendes purificado as vossas almas na vossa obediência à verdade que leva ao amor não fingido dos irmãos, de coração amai-vos uns aos outros, ardentemente, sendo regenerados, não da semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, o qual vive e permanece. Porque toda a carne é como a erva; toda a sua glória como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a flor, mas a palavra do Senhor permanece eternamente" (I, 17-25).

A doutrina apostólica exclui culto e holocausto: nada tem ela em comum com os ídolos, estátuas e os sacramentos das igrejas; é uma doutrina essencialmente espiritual, de culto interno, que exorta a alma ao progresso, à luz, ao amor.

Cairbar Schutel