Nova excursão de Paulo

Paulo, tendo escolhido Silas, partiu encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. E passou pela Síria e Cilícia fortalecendo as igrejas. (Cap. XV, 40, 41).

Chegou também a Derbe e a Listra. Achava-se ali um discípulo chamado Timóteo, filho de uma judia crente, mas de pai grego; dele davam bom testemunho os irmãos de Listra e Icônio. Paulo quis que ele fosse em sua companhia e, tomando-o, circuncidou-o, por causa dos judeus naqueles lugares; pois, todos sabiam que seu pai era grego. Quando iam passando pelas cidades entregavam-lhes para serem observadas as decisões que haviam sido tomadas pelos Apóstolos e presbíteros em Jerusalém. Assim as igrejas eram fortificadas na fé e aumentavam em número cada dia. - Cap. XVI, 1-5.

Paulo nada fazia sem a inspiração do Espírito. Meigo, dócil e obediente às sugestões de Jesus, ele, de fato, se constituíra seu vaso de honra. Foi assim que deliberou a sua segunda excursão de propaganda do grande ideal da perfeição.

Em sua passagem por Derbe e Listra, pregou contra a circuncisão, e entregou aos crentes daquela cidade a cópia da resolução tomada em Jerusalém pelos Apóstolos e presbíteros, sobre o referido assunto.

Ele devia prosseguir sua viagem e tendo encontrado um discípulo chamado Timóteo, homem muito benquisto não só em Derbe, como em Listra, deliberou levá-lo consigo.

Mas tinha de passar por uma região em que havia numerosos partidários da circuncisão, e para que não taxassem de suspeito o seu discípulo Timóteo, o Apóstolo circuncidou-o. Assim ele falaria com toda autoridade.

A autoridade é tudo para a pregação da doutrina. Sem autoridade nada se pode fazer.

Timóteo, como se vê, nas Epístolas que Paulo dirigiu a este discípulo, se tornou uma das colunas da igreja. Foi um grande espírito que muito concorreu para a obra Cristã.

Em sua passagem por Derbe e Listra, as pregações do Apóstolo Paulo muito agradaram os discípulos que lá se achavam, dando-lhes fortaleza e fé.

Cairbar Schutel