Os distúrbios em Icônio

Em Icônio, Paulo e Barnabé entraram juntos na sinagoga dos judeus, e falaram de tal modo que creu uma grande multidão de judeus como de gregos. Mas os judeus que não creram, excitaram e exasperaram o ânimo dos gentios contra os irmãos. Entrando, demoraram-se ali bastante tempo, falando ousadamente no Senhor, que dava testemunho da palavra da sua graça, concedendo que por mãos deles se fizessem milagres e prodígios. Mas dividiu-se o povo da cidade; e uns eram pelos judeus, e outros pelos Apóstolos. E como houvesse um movimento dos gentios e dos judeus juntamente com as suas autoridades, para os ultrajar e apedrejar, eles, sabendo-o, fugiram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia, e para circunvizinhança, e ali pregavam o Evangelho. - Cap. XIV, V. v. 1 - 7.

A tarefa apostólica não deslizou num mar de rosas; eles tiveram de arrostar embaraços e afrontar o espírito de sistema arraigado nas massas materializadas.

A seu turno, as autoridades, em vez de desempenhar o seu papel como distribuidoras da Justiça, vão sempre de encontro às verdades que surgem e o espírito liberal que incentiva os pegureiros do Bem.

Autoridades e padres, sempre de braços dados, representando a nobreza e o capitalismo, em todas as épocas têm sido a vergasta dos libertadores que, empunhando o farol divino do progresso, se esforçam para iluminar aos homens, o grande Ideal da Perfeição.

Uma coisa interessante, entretanto, se nota: que no tempo do Cristianismo, apesar do ódio judaico, se dava aos Apóstolos permissão para falarem nas sinagogas. Os espíritos romanos e protestantes nesse ponto são mais estreitos, mais acanhados, mais sectários.

Quem poderá se erguer numa dessas igrejas para expor as suas idéias? Ninguém. Entretanto, as igrejas e templos são propriedades do povo; é o povo quem as constrói, quem as mantém, quem as embelezam.

Mas o padre é o seu legítimo proprietário, ele faz das "casas de oração" o que quer; permite e veda a entrada nos templos a quem lhe apraz.

Enfim, nós concluímos desta tirada, que uma grande parte do povo recebeu a crença e ficou do lado dos Apóstolos. Estes, vendo-se ameaçados, retiraram-se para Listra e Derbe, onde foram com o fim de pregar o Evangelho.

Em Icônio os Apóstolos fizeram grandes prodígios; muitos fatos espíritas se desdobraram aos olhos do povo para lhes fortificar a crença e demonstrar que a Doutrina de Jesus não é uma coisa abstrata como pensam alguns, mas um todo concreto, composto de filosofia e moral, alicerçado por fatos psíquicos demonstrativos da Imortalidade.

Cairbar Schutel