Paulo na escola de Tirano

Paulo na escola de Tirano
Os prodígios da religião

Paulo, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, discutindo com os ouvintes e persuadindo-os acerca do reino de Deus. Mas como alguns ficassem endurecidos e incrédulos, falando mal do Caminho diante da multidão, apartou-se deles e separou os discípulos, discutindo diariamente na escola de Tirano. Isto continuou por dois anos, de modo que todos os que habitavam na Ásia, tanto judeus como gregos, ouviram a palavra do Senhor. E Deus fazia milagres extraordinários por meio de Paulo, de sorte que eram do seu corpo levados lenços e aventais aos enfermos, e as enfermidades os deixavam, e deles saíam os espíritos malignos. - Cap. XIX, v. v, 8 - 12.

A Religião operou prodígios por meio dos apóstolos.

Paulo, sem dúvida alguma, foi para o Cristianismo nascente o maior expoente da Religião.

A Religião não é mesmo uma simples filosofia, mas uma grande ciência amparada por fatos.

Deus é a Sabedoria infinita e o Poder ilimitado; a sua Lei está estritamente ligada a essa Sabedoria e submissa a esse Poder.

Os intermediários entre a Terra e o Céu não são aqueles que se arrogam tais títulos, mas sim os que dão testemunho do Céu, da grandeza e da Sabedoria Divina.

A estada de Paulo em Éfeso foi um sucesso inesperado cheio de zelo pela Causa que havia esposado e vendo "edificadores" que entravam na sua Seara e construíam ou edificavam com materiais de terceira ordem, o Apóstolo resolveu voltar a Éfeso e erguer verdadeiros edifícios sobre os fundamentos, dos quais ele tinha sido sábio construtor.

A religião vulgar, que passa, não poderia permanecer em bases verdadeiras, tomando lugar das construções que devem abrigar milhares de almas. E Paulo não vacilou; pôs mãos à obra. Não sendo as suas palavras aceitas, durante três meses consecutivos, por incrédulos e endurecidos, ele não voltou mais à sinagoga e passou a falar no grande salão da Escola de Tirano, onde com toda a liberdade e poder do Espírito, por dois anos consecutivos, apregoou as novas da salvação.

Verdadeiras romarias de todos os que habitavam a Ásia, tanto judeus como gregos, tiveram a felicidade de receber a Luz.

E a Luz iluminava de todos os modos; focos de todas as tensões fulgiam por aquela lâmpada sagrada a quem o Espírito do Nazareno acompanhava e que nós chamamos Doutor dos Gentios.

De fato, o antigo Saulo, poderoso só para o mal, tornou-se O doutor mensageiro da saúde que fortalece o corpo e da saúde que vivifica a alma, O seu poder tornou-se tão grande, as suas virtudes eram tão frementes que até a sua roupa, os seus lenços, os seus aventais, após estarem em contacto com o seu corpo imaculado, curavam os enfermos, expeliam as enfermidades, expulsavam os espíritos malignos!

Aquilo que nós, entes dotados de uma alma racional, não podemos fazer; naquilo que os doutores, que freqüentaram academias, não tinham poder; as coisas inanimadas como o pano, o tecido, que pertenciam ao grande Apóstolo, esses "trapos" operavam maravilhas diante dos circunstantes que testemunhavam tão grandes coisas!

É assim mesmo. Deus escolhe as coisas fracas para confundir as fortes; e as humildes para confundir as engrandecidas pelas vaidades humanas.

Paulo é o grande capítulo da História do Cristianismo, não há homem de boa vontade que não o admire. Grande orador, divinamente inspirado, até suas Epístolas nos exaltam e elevam às celestes regiões. Alguém, referindo-se aos sermões do padre Antonio Vieira, disse: "Orador, ou Paulo ou Vieira", parodiando, após ouvir os arroubos de eloquência singela impregnada de inefável doçura do Humilde Filho de Deus, e dos belos discursos do Apóstolo dos gentios, afirmamos, sinceramente convictos, que de todos os oradores Evangélicos que têm pisado este solo ingrato, dois se elevam a incomensuráveis alturas: O Cristo e Paulo, o Apóstolo.

Possam Eles nos ter em sua graça.

Cairbar Schutel