Fidelis Augusto Alves

 

 

Fidélis Alves foi poeta e orador de inspiração privilegiada. Suas composições, lítero-doutrinárias, de elevado conteúdo moral revelam na espontaneidade do sentimento, a pureza de um coração sensível e bom.

Nascido em São Fidélis, Estado do Rio de Janeiro, em 29 de abril de 1881, aqui chegou em 1921. Foi comerciante, contador e exerceu os cargos de Tesoureiro e Secretário da Prefeitura, eventualmente substituindo ao Prefeito.

Espírita dedicado e atuante, regressou ao mundo espiritual em 12 de maio de 1960, e de lá nos envia a poesia que publicamos, como homenagem de carinhosa saudade à terra que tanto amou.

Abaixo, poesia de autoria do espírito Fidelis Alves, psicografada pelo médium Divaldo P. Franco, na sessão de 24/11/1971, no Centro Espírita “Caminho da Redenção”, em Salvador-BA.

Canto de Saudade
Torrão amado! Paisagens

Onde passei minha vida,

A verde terra querida,

Que não esqueço jamais...

Teus lindos campos infindos,

As glebas férteis vermelhas,

Pitorescas vias e quelhas

Horizontes, os pinhais!

Recordo os pardos em volta,

As belas noites de lua,

O frio cortante na rua

E o fulgor das tuas estrelas!...

Noutro lugar nunca vi.

Serras, cascatas formosas,

Lírios, mirtos: tuas rosas,

Bendita sejas, por tê-las!

Rememoro a ingênua estória

Das pombas da fundação

Guiadas por santa mão

Para os teus solos felizes.

Qual se programasse Deus

Bênçãos de paz e de amores,

Mesclando raças e cores,

Filhos de novos matizes.

As ladeiras e baixadas,

As praças tranqüilas, nobres

Onde dormitam os pobres

E pipilam os pardais ...

Muita coisa está mudada,

Foram-se as velhas gralhas

Agricultores sem falhas

Que semeavam demais...

Lembro a vida que eu fruía

Vejo teus céus chamuscados

Graças aos campos queimados,

Sofro saudades de ti.

Fora do corpo, esse amigo

Que me conduzia a pé.

Ao recanto, em Nazaré

E ao tranqüilo Tibagi!...

Quando eu puder retornar

Desde agora a Deus eu peço,

Quero ajudar teu progresso,

Fazer tudo quanto possa,

Participar da alegria

De construir teu futuro

Espírita-cristão, juro!

Terra amada! Ponta Grossa!