Flávio Ferreira da Luz

 

 

Nascido em 18 de Agosto de 1887 na Rua Comendador Araújo, em Curitiba, Capital do Estado do Paraná, onde hoje é a sede da Sociedade Thalia. Faleceu em 20/03/1954. Foram seus pais José Ferreira da Luz e Bertholina Pereira da Luz. Em 1905 matriculou-se na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, tendo concluído o curso de Bacharel em Direito em 1909. Contraiu núpcias em 19 de Abril de 1910 com a senhorita Sarah Lopes, que passou a assinar-se Sarah Lopes Luz . Desse casamento houveram cinco filhos: Cid, Clotilde, José, Ruy e Laura. Sucedeu seu genitor como titular do Cartório de Registro de Imóveis do 1º Distrito da Capital.

Foi, em companhia de Nilo Cairo, que era seu concunhado, um dos idealizadores e fundador da atual Universidade do Paraná. Foi pioneiro da radiofonia no Paraná e um dos fundadores da Rádio Clube Paranaense – a nossa PRB-2.

Ainda muito jovem, já se dedicava as pesquisas no campo do Espiritismo. Em 18-07-915, era incluído nos quadros da Federação Espirita do Paraná, como membro da Comissão Central e já em 14 de Janeiro de 1917 era eleito Presidente, sendo reeleito para os anos de 1918, 1919, 1920 e 1921. Em 1920 participou da primeira comissão organizadora do Hospital Espírita. Sua vida foi por longos anos, dedicada, além da família, às mais diversas atividades sociais e à Causa da Doutrina Espírita.

Companheiro inseparável das atividades Espíritas de Arthur Lins de Vasconcellos, esteve ao seu lado até o ano de 1930. Sua folha de serviços prestados ã Federação Espírita do Paraná é uma das mais repletas de dedicação. Assim é que, tendo deixado a Presidência em 1922, a ela voltou em 16 de janeiro de 1927, depois de ter exercido o Cargo de Secretário Geral de 20 de Janeiro de 1923 a Janeiro de 1926. Foi Diretor da Revista de Espiritualismo, onde o brilho de sua pena e o fulgor de sua inteligência, ao lado de seus conhecimentos doutrinários, marcaram estupenda contribuição à divulgação da Doutrina Espírita. Em 1926 foi eleito 1º Vice-Presidente e em 16 de janeiro de 1927 volta à Presidência.

Antes porém, de retornar a Presidência, foi, no ano de 1925, na qualidade de Diretor da Revista Espiritualista e Secretário da Federação, subscritor de um telegrama de protesto dirigido aos poderes públicos, contra a tramitação na Assembléia Legislativa do Paraná, de um projeto de Lei, mandando o Governo do Estado doar à Igreja Católica, para instalação de dois Bispados, de uma gleba de centenas de alqueires de terras pertencentes ao patrimônio do Estado.