HERCULANO PIRES

UM DOS MAIS IMPORTAnTES E RESPEITADOS DIVULGADORES DA DOUTRINA
ESPÍRITA SEMPRE DEFENDEU A FIDELIDADE COM A CODlFICAÇÃO DE KARDEC

Difícil definir em poucas linhas todos os papéis desempenhados por Herculano Pires. Em seus 65 anos de vida, foi jornalista, professor de filosofia, escritor, crítico literário, poeta e um fiel divulgador da doutrina espírita.

Nasceu na cidade de Avaré, interior do estado de São Paulo, em 25 de setembro de 1914, filho do farmacêutico José Pires Correia e da pianista Bonina Amaral Simonetti Pires.

Desabrochou sua vocação literária desde menino, escrevendo aos 9 anos seu primeiro soneto, um decassílabo sobre o Largo São João, em sua cidade natal. Aos 16 anos, publicou o primeiro livro de contos, chamado Sonhos Azuis, e desde então não parou mais de escrever. Aliás, conta-se que essa era sua grande paixão - colocar no papel idéias e pensamenntos, transformando sílabas em jogo de palavras rimadas. Daí seus poemas publicados em diversos órgãos da imprensa, elogiados por grandes nomes da literatura, como Érico Veríssimo e Sérgio Milliet. Tamanho foi seu reconhecimento poético, que Mário Graciotti o incluiu entre os colaboradores permanentes da seção literária de A Razão, publicando um poema de sua autoria todo domingo.

Casou-se em dezembro de 1938 com Maria Virginia Ferraz Pires, evangelizadora infantil do centro onde realizou sua primeira conferência espírita. Tiveram quatro filhos: Herculano Ferraz Pires, Helena Pires Bolonetti, Heloísa Ferraz Pires e Helenilda Ferraz Pires de Castro.

Mudou-se para Marília em 1940, onde adquiriu o jornal Diário Paulista, órgão que dirigiu durante seis anos. Em 1946 veio morar em São Paulo e lançou seu primeiro romance, O Caminho do Meio, que mereceu críticas elogiosas de Afonso Schimidt, Geraldo Vieira e Wilson Martins.

Sua trajetória foi vasta em cargos de destaque e atividades ligadas à literatura. Colaborou em diversos jornais e revistas do Rio de Janeiro e São Paulo, publicou oitenta livros de filosofia, ensaios, histórias, psicologia, pedagogia, parapsicologia, romances e espiritismo, diversos desses em parceria com Chico Xavier.

Mestre em Filosofia

Herculano Pires se graduou em filosofia pela USP no ano de 1958, e tempos depois, tornou-se mestre em filosofia da educação na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara e membro titular do Instituto Brasileiro de Filosofia. Não parou por aí, foi presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, fundador do Clube dos Jornalistas Espíritas e presidente do Instituto Paulista de Parapsicologia de São Paulo.

Além de sua importante contribuição para a vida acadêmica e cultural do país, não poupou esforços também na divulgação da doutrina espírita, desde que tornou-se espírita, aos 22 anos de idade. Traduziu cuidadosamente as obras da Codificação de Kardec, traduções doadas à diversas editoras espíritas no Brasil, Portugal, Argentina e Espanha.

"A PUREZA DAS INTENÇÕES DOS MÉDIUNS E COORDENADORES
DAS REUNIÕES DESOBSESSIVAS É A ÚNICA POSSÍVEL GARANTIA
DA EFICÁCIA DA ORIENTAÇÃO MEDIÚNICA"

Publicou muitas obras de peso, sempre seguindo uma linha de pensamento racional, entra elas; O Espirito e o Tempo, Agonia das Religiões, Curso Dinâmico de Espiritismo (O Grande Desconhecido), Pedagogia Espírita e Mediunidade - Vida e Comunicação, Barrabás, que recebeu um prêmio do Departamento Municipal de Cultura de São Paulo, constituindo o primeiro volume da Trilogia Caminhos do Espírito. Publicou em 1975, Lázaro e com o romance Madalena concluiu a Trilogia. Desencarnou aos sessenta e cinco anos, no dia nove de março de 1979, devido a um enfarto fulminante. Segundo relato de seu filho Herculano Ferraz Pires, nesse dia ocorreu um fato muito interessante. "Estavam realizando uma reunião mediúnica, na garagem de nossa casa, e embora sua morte ainda não tivesse sido confirmada pelos médicos, pois ele havia dado entrada no pronto socorro de um hospital, um médium ainda em treinamento recebeu uma mensagem psicografada de dois Espíritos. O primeiro anunciava a chegada de Herculano Pires no mundo espiritual e a outra de sua própria autoria, escrevendo para seus familiares e amigos".

Antes de sua partida, Herculano deixou vários originais escritos, os quais vêm sendo publicados pela Editora Paidéia, dirigida atualmente pela família. Herculano Ferraz Pires relata como foi a trajetória de vida de Herculano Pires, um dos jornalistas e divulgadores da doutrina espírita mais respeitados do Brasil. "A vida ao lado de meu pai foi repleta de momentos marcantes, difícil destacar um em especial. Quem teve oportunidade de conviver com ele, sabe que era um espírito que transmitia calma e confiança no futuro".

Como foi Herculano como pai, pessoa e jornalista?

Herculano Pires sempre foi a mesma pessoa em todos os aspectos, quer seja como pai, como cidadão ou como profissional. Sua grande virtude foi a sinceridade, que era cultivada com base nas verdades da doutrina espírita. Sempre foi o meu melhor amigo. Quando o procurava para receber conselhos sobre um problema sério, ele sempre me acalmava e mostrava que todas as dificuldades podem ser superadas, mas lembrando que as responsabilidades assumidas não podem ser negligenciadas. Como profissional, além do reconhecimento do seu valor pelos seus empregadores, foi eleito presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, em 1957, o que prova como era respeitado pelos colegas de profissão.

Como era sua personalidade?

Tinha um belo senso de humor, a certeza de que o nosso verdadeiro mundo é o espiritual e que estamos apenas de passagem pela Terra para nos aperfeiçoarmos. Sempre nos lembrava que a lei da reencarnação nos mostra o quanto seríamos ignorantes ao criarmos qualquer tipo de preconceito, pois sabemos que a cada instante de nossa existência eterna estamos ocupando uma posição diferente, em uma nova encarnação, na sociedade dos homens.

Quais foram os principais meios de comunicação nos quais trabalhou?

Trabalhou em vários jornais e teve programa no rádio, porém esses programas não eram remuneraados, visando apenas à divulgação da doutrina. Quanto à televisão, apenas teve participações como convidado, sendo exceção o caso da novela de Ivani Ribeiro A Viagem, na extinta TV Tupi, quando foi assessor para assuntos doutrinários, a convite da própria autora, por indicação de Chico Xavier.

Como foi a infância de seu pai, segundo seus relatos?

Segundo Jorge Rizzini registrou, no livro José Herculano Pires, OApóstolo de Kardec, o próprio Herculano escreveu, em um de seus diários, a seguinte frase: "Tive uma infância com problemas de saúde que me acompanhariam por toda a vida. Mas a terra de Avaré e as águas do Rio Novo me fortaleceram."

E a fundação do Centro Espírita Cairbar Schutel?

Desde que me entendo por gente, me lembro das reuniões de estudos e reuniões mediúnicas realizadas em casa, por meu pai. Quando mudamos para a R. dr. Bacellar, que possuía uma ampla garagem, as reuniões passaram a ter uma freqüência semanal e abertas para o público. Um certo dia, minha filha, que tinha aproximadamente oito anos, chegou na sala de jantar com um envelope que havia encontrado na caixa do correio e entregou ao meu pai. Estávamos reunidos com alguns amigos, e ao abrir o envelope, foi encontrado um volume de dinheiro, com um bilhete que dizia mais ou menos assim:

"Para vocês organizarem a creche que pretendem, assinado, um amigo". A partir desse momento meu pai achou que era necessário ser criado, juridicamente, um Grupo de Estudos Espíritas, e assim surgiu o Grupo Espírita Cairbar Schutel, que hoje tem sede própria na Rua Pinto Ferras, 70 - Vila Mariana, e realiza reuniões de estudos e mediúnicas, abertas ao público, nas quartas e sextas-feiras, às 20h30, e nos sábados, às 14h. Existe um trabalho de assistência a gestantes carentes, que é coordenado pela minha tia Maria de Lourdes.

Ele ajudou algum outro centro espirita a ser fundado?

Em 1936 Herculano Pires foi eleito presidente do primeiro Centro Espírita, que dois amigos seus fundaram, na cidadezinha de Cerqueira Cesar. Além dissso ele realizava palestras em vários centros, por todo o Brasil.

Havia algum lugar ou horário para escrever?

Escrevia em qualquer horário, bastava ter um tempo disponível. Quando se aposentou, passou a escrever mais durante a noite, entrando pela madrugada. Seu escritório de trabalho era seu próprio quarto, onde também se encontrava sua biblioteca.

Deixe-nos uma mensagem.

Herculano Pires, como dizia Chico Xavier, foi quem mais se aprofundou e compreendeu a obra de Kardec. Faz parte dos espíritas que mais se preocuparam com a divulgação da doutrina, sem permitir que novidades, sem nenhum critério científico, fossem consideradas pertencentes a ela. Ele sempre deixou bem claro que, se acreditamos nas verdades espíritas não podemos nos omitir quando encontramos situações que possam provocar distorções na obra de Kardec.

O jornalista e escritor Jorge Rizzini foi amigo, companheiro de profissão e confidente de Herculano Pires durante trinta anos. Jorge também presidiu o Clube dos Jornalistas Espíritas do Estado de Sã Paulo, criou a primeira revista infanto-juvenil espírita (Kardequinho), e a primeira filmoteca espírita nacional. Psicografou quarenta e quatro poetas, entre eles, Castro Alves e Monteiro Lobato.

Jorge e Herculano se conheceram no ano de 1952, em São Paulo, na tradicional e atualmente extinta Livraria Teixeira, ponto de encontro de intelectuais da época. "Eu tinha vinte e oito anos e ele trinta e oito. Um fato curioso que nascemos ambos no dia 25 de setembro, ele em 1914, durante a primeira grande guerra e eu dez anos depois, no peródo da revolução de 1924. Mas, segundo relatos espirituais, nossa amizade tem razões em vidas anteriores, desde o tempo da Roma imperial, quando trabalhamos secretamente em favor do triunfo das idéias revolucionárias de Cristo", conta.

O vínculo de amizade e companherismo foi tão grande entre ambos, que Jorge Rizzini publicou o livro José Herculano Pires, O Apóstolo de Kardec, pela editora Paidéia.

Como definiria Herculano Pires?

Foi o que podemos chamar de "homem múltiplo". Fiilósofo, educador, jornalista, escritor, parapsícólogo, romancista, poeta, e fiel tradutor de Allan Kardec. Sua inteligência superior iluminada pelo espiritismo e aliada a uma cultura humanísttca, brilhou com grande magnitude. As dezenas de livros doutrinários que escreveu, inclusive em parceria com Chico Xavier, são fundamentais para o perfeito conhecimento do espiritismo, e, devo acrescentar, alguns de seus romances são autênticas obras-primas.

Tem conhecimento de como Herculano Pires tornou-se espírita?

Até os quinze anos de idade era católico, mas desiludiu-se com o clero porque não respondia satisfatoriamennte às suas perguntas. E buscou-as na teosofia, em vão. Já estava aceitando o materialismo, quando lhe caiu nas mãos um exemplar de O Livro dos Espíritos.

Eis o que ele nos narrou o que ocorreu: "Eu não queria saber do espiritismo, que por minha formação, considerava superstioso. Em 1936, quando tinha 22 anos de idade, meu saudoso amigo Dadício de Oliveira Baulet me desafiou a ler O Livro dos Espíritos". Esse foi o ponto de partida.

Para Herculano, o que significa ser espírita?

Disse ele em entrevista concedida ao Diário de São Paulo, em junho de 1952: 'É sempre transformar os princípios doutrinários em norma viva de conduta, para todos os instantes de nossa curta existência na Terra. Praticar o espiritismo não apenas no recinto dos centros ou no convívio dos confrades, mas em toda parte em que nos enncontremos na rua, no trabalho, no lar, na solidão dos próprios pensamentos".

Ele participou do movimento espírita durante décadas. Como foi seu início?

Atuou como líder quarenta e três anos consecutivos.

Foi o primeiro presidente do centro espírita Humberto de Campos, na cidade de Cerqueira César. Recordemos que Herculano contava apenas com vinte e dois anos de idade, mas já era jornalista e escritor.

Quem publicou o primeiro trabalho jornalístico de cunho espírita de Herculano?

Ele tinha vinte e quatro anos, quando remeteu o primeiro artigo de cunho espírita ao inesquecível Cairbar Schutel, que encantado, publicou na Revista Internacioonal de Espiritismo. Desde então, nunca mais parou de escrever na imprensa espírita e fazer palestras.

Como foi a fundação e atuação do Clube dos Jornalistas Espíritas de São Paulo?

Herculano Pires fundou o clube em 1948. Participaram inclusive escritores e grandes profissionais da imprensa da época. Faziam parte: Pedro Granja, Júlio Abreu Filho. Odilon Negrão. entre outros. A ação do clube não se limitava ao movimento espírita brasileiro. Chegou até mesmo a protestar contra o governo do ditador Perón, por obrigar os médiuns argentinos a se registrarem no Departamennto de Psicopatologia, com fichário de exames psiquiátricos. como se fossem doentes mentais. Protesto este amplamente noticiado pela grande imprensa de São Paulo e do Rio de Janeiro. Enfrentava também opositores cio espiritismo e denunciava os confrades que mistificavam dentro do movimento doutrinário.

Érika Silveira - Revista Cristã de Espiritismo