Maria Ruth Junqueira

 

 

 

Nasceu na cidade de Ponta Grossa, em 26 de novembro de 1903. Filha de José Roth e Margarida Stremmel Roth, modestos imigrantes russo-alemães, que viviam das lides agrícolas. Concluindo o curso primário, prosseguiu os seus estudos na Escola Intermediária Prof. João Cândido, sob a orientação da extraordinária Prof. Judith Macedo Silveira e diplomou-se como professora-normalista pela primeira turma da Escola Normal Primária de Ponta Grossa.

Muito jovem, iniciou-se na carreira do magistério no Liceu dos Campos. Durante muitos anos lecionou no tradicional Grupo Escolar Senador Correia, na Escola de Aplicação e na Escola Normal Primária de Ponta Grossa. Ministrou aulas também nas Escolas de Trabalhadores Rurais “Augusto Ribas” (Castro).

Foi Diretora do Grupo Escolar Dr. Vicente Machado em Castro. Posteriormente, lecionou no Grupo Escolar do Bacacheri e na Escola de Aplicação anexa ao Instituto de Educação, então Escola de Professores de Curitiba. Em 1945, já contando com 28 anos de magistério, passou a prestar serviços junto à Associação de Assistência à Criança do Paraná. Esta nova atividade, mais relacionada com assistência social, requeria para seu desempenho um preparo especializado, o que levou-a a realizar cursos de aperfeiçoamento no Departamento Nacional da Criança, no Rio de Janeiro, então Capital Federal.

A professora Maria Ruth Junqueira passou em 1947 para a Secretaria de Saúde e Assistência Social, no Departamento Estadual da Criança, organizou o Serviço de Colocação Familiar que encaminhava as crianças órfãs, abandonadas, recém-nascidas e já sós na Terra, para lares previamente analisados em todos os aspectos, onde casais sem filhos, mas com suficientes recursos materiais e comprovados valores éticos, tinham como ambição suprema um pequenino ser a completar suas vidas.

Lembramos também seus trabalhos na Legião Brasileira de Assistência e junto ao Hospital das Crianças de Curitiba; a contribuição trouxe, isso de longa data, às atividades da Federação Espírita do Paraná, é outro ramalhete a enfeitar o vasto jardim de suas realizações mais puras.

Casou-se a 14 de janeiro de 1928 com Antonio Lisboa Junqueira, então integrante do Exército Brasileiro e que posteriormente, com dedicação e muito esforço formou-se engenheiro agrônomo, em 1939. Tiveram um filho: Antonio Neuzar Junqueira.