NO ERGUIMENTO DA PAZ

"Bem-aventurados os pacificadores porque serão chamados filhos de Deus." - JESUS. (Mateus, 5:9.)

Efetivamente, precisamos dos artífices da inteligência, habilitados a orientar o progresso das ciências no Planeta.

Necessitamos, porém, e talvez mais ainda, dos obreiros do bem, capazes de assegurar a paz no mundo.

Não somente daqueles que asseguram o equilíbrio coletivo na cúpula das nações, mas de quantos se consagram ao cultivo da paz no cotidiano:

- dos que saibam ouvir assuntos graves, substituindo-lhes os ingredientes vinagrosos pelo bálsamo do entendimento fraterno;

- dos que percebem a existência do erro e se dispõem a saná-lo, sem alargar-lhe a extensão com críticas destrutivas;

-
dos que enxergam problemas, procurando solucioná-los, em silêncio, sem conturbar o ânimo alheio;

- dos que recolhem confidências aflitivas, sem passá-las adiante;

- dos que identificam os conflitos dos outros, ajudando-os, sem referências amargas;

- dos que desculpam ofensas, lançando-as no esquecimento;

- dos que pronunciam palavras de consolo e esperança, edificando fortaleza e tranqüilidade onde estejam;

- dos que apagam o fogo da rebeldia ou da crueldade, com exemplos de tolerância;

- dos que socorrem os vencidos da existência, sem acusar os chamados vencedores;

- dos que trabalham sem criar dificuldades para os irmãos do caminho;

- dos que servem sem queixa;

- dos que tomam sobre os próprios ombros toda a carga de trabalho que podem suportar no levantamento do bem de todos, sem exigir a cooperação do próximo para que o bem de todos prevaleça.

Paz no coração e paz no caminho. Bem-aventurados os pacificadores - disse-nos Jesus -, de vez que todos eles agem na vida, reconhecendo-se na condição de fiéis e valorosos filhos de Deus.

Emmanuel