COMO AVALIAREI

"Um avalia um dia mais que outro dia; outro avalia todos os dias iguais.
Esteja cada um plenamente convencido em sua mente." - (Romanos, 14:5)

- Se as ocorrências de um dia trazem, quase sempre, consequências remotas e se não posso me sobrepor à humana limitação da vista, a fim de apreciar a padronagem que os dias, lançadeiras no tear da Vida, vão formando, como avaliarei os dias, atribuindo-lhes o justo valor?

- O operário comum, afeito às tarefas mecanizadas de seu tear, em grande fábrica têxtil, resume suas atividades e suas preocupações na correção eventual de um fio aqui, uma lançadeira acolá e acaba por ritmar os movimentos físicos, mecanizando, do mesmo modo, a mente.

O servidor que, entretanto, guardar o desejo íntimo de crescer nas tarefas que lhe são conferidas, começará por bem cumpri-las, é certo, mas,

- não se furtará ao imperativo do esforço próprio em busca do alargamento de idéias, da amplifiicação de conhecimento e do desdobramento de aptidões para valorização de si próprio na missão de servir, e procurará saber de onde veio e para onde vai o fio que lhe chega às mãos pelo concurso incessante das máquinas;

- não se esquivará ao trabalho de indagar qual o destino da tecelagem para cuja feitura ele contriibuiu com zelo e dedicação;

- não se cansará de aumentar o círculo de suas próprias observações no campo de serviço a que se dedica, por mais humilde que seja, visando melhor atender aos que dele dependem.

Assim também,

- se passas pela vida, amparando-te na lei do menor esforço para, simplesmente, preencheres os padrões mínimos requeridos pela necessidade de viver, encontrarás iguais todos os dias, porque haverá sempre a probabilidade de chover ou de fazer sol, de estar frio ou quente, do luar embelezar o céu e das estrelas o abrilhantarem e, sentirás, alternadamente, necessidade de alimento, de descanso ou de exercício físico.

Se, entretanto, guardas o coração e a mente despertos para uma vida sempre maior dentro de ti mesmo, descobrirás em cada dia um mundo de oportunidades diferentes e ricas de valores ocultos às mentes comuns.

Avalia, pois, um dia pela oportunidade de exercitares a paciência, a resignação, de venceres a dor ou de cultivares a bondade.

Avalia outro dia, pelo ensejo que te oferece de seres alegre e afável.

Avalia outro dia, pela oportunidade de ajudares a alguém ou pela de aprenderes a ser ajudado.

Avalia-os e valoriza-os, aprendendo bem a lição que cada um te oferece e a tua mente, enriquecida, saberá imaginar o belo manto de experiências que vais tecendo no tear da Vida, embora não o possas, presentemente, contemplá-lo com os olhos do corpo.

Ottília (Espírito)