COMO CHORAREI

"Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados." - (Mateus, 5:4)

- Como chorarei e serei bem-aventurado?

Deverei, então, entregar-me às lágrimas e, com elas, tentar solucionar sempre as situações difíceis ou dolorosas?

- De modo algum o Mestre elegeria para bem-aventurados aqueles que pranteiam inutilmente e se entregam à inércia destrutiva.

De modo algum apontaria o Divino Pastor o caminho da lamentação improfícua, como um dos que conduzem ao clima superior de Seu Aprisco.

O choro, significando sempre o meio de libertação da alma encarcerada pelas grades das circunstâncias adversas, o derivativo do coração oprimido pelo acúmulo de vibrações contrárias, o grito do espírito que, angustiado, é compelido a permanecer em campos onde não está afeito à respiração, pode ser um choro sem lágrimas, um grito surdo e um quadro de aflição cujas cores sejam imperceptíveis aos nossos olhos.

Assim,

- chorará o espírito de sentimentos elevados e que em viagem pela Terra, lamentar o primitivismo dos companheiros e, por isso, sofrer-lhes a adversidade;

- chorará, pelo trabalho, a alma em luta com as provações benditas que lhe ensinarão a resgatar erros e a edificar-se para o Bem;

- chorará o discípulo da Sabedoria Superior que, em missão, procurar as regiões inferiores tentando ensinar aos que jazem inertes pela mente ou pelo coração, as lições sublimes da ciência elevada, da arte santificada ou da religiosidade ativa e verdadeira!

Chorarão estes e estes serão os bem-aventurados aos quais o Senhor de Todas as Coisas, consolará, um dia.

Ottília (Espírito)