COMO DESCANSAREI

"Portanto, esforcemo-nos por entrar naquele descanso,
a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo
de desobediência." (Hebreus, 4: 11)

- Como, de que e quando descansarei a fim de atender à recomendação evangélica, evitando a minha queda pela desobediência?

- Quando a noite, em nos oferecendo silêncio e paz, nos convida a entregar o corpo físico ao descanso necessário pelo tempo justo, bom será que aprendamos a atendê-la, a fim de não incorrerrmos na desobediência das leis que regem a matéria densa e estabelecem a renovação das energias físicas, através do repouso natural.

Quando a mente, constrangida a esforço continuado de criação das expressões literais que lhe traduzem as idéias, nos sugere o descanso pela variação de atividade, é bom que lhe acatemos a sugestão, a fim de que não venhamos a cair em desequilíbrio mental, pela desobediência às leis da temperança.

Do mesmo modo, o teu coração deve ser ouvido quando te roga descanso das aflições que tu lhe impões ao te entregares a inúteis e intermináveis indagações, que sabes formular continuadamente sem, contudo, buscares na meditação, no estudo e na prece, as respostas justas.

Do mesmo modo, o teu coração deve ser atendido quando te suplica descanso da ansiedade com que o martirizas, sem proveito, negando-lhe o alimento de que ele carece para se tornar, em teu próprio benefício, o vaso sublime da intuição superior.

Descansa, pois, o corpo no leito macio. Descansa a mente no lazer sadio.

Descansa, sobretudo, o sentimento, acomodando-o nas diretrizes que a vida presente te oferece, a fim de que teus braços trabalhem com mais eficiência e a tua mente produza em maior escala, e a fim de que não venhas, um dia, a lamentar tua própria queda no abismo do desespero, pelas oportunidades perdidas, em virtude de tua desobediência às sugestões que o Divino Amigo, pelo coração, nos entrega hoje, amanhã e sempre, mas nunca hoje ou amanhã para sempre, neste plano de vida.

Ottília (Espírito)