COMO DESENFERRUJAREI

"O vosso ouro e a vossa prata estão enferrujados, e a sua ferrugem
dará testemunho contra vós." - (Tiago, 5:3)

- Qual é o meu ouro e qual é a minha prata e como os desenferrujarei?

- Ouro e prata, metais preciosos que são, retidos, guardados e confiados ao recesso amigo da Terra, representam tesouro incalculável que a Bondade Celeste aos homens confiou.

Passivos, plasmáveis e de utilidades mil, constituem atrativo poderoso para aqueles que os procuram, embalados pelos mais variados sonhos.

Virtudes, sentimentos elevados, conhecimentos superiores, sabedoria evangélica ou beleza santificante, são também ouro e prata que, por tua proveniência da Criação Divina, dormitam, em essência, no imo de teu espírito eterno.

São ouro e prata e muitos os procuram para, simplesmente, retê-los e acumulá-los no coração ou na mente. Entretanto, se nos compete enriquecer a inteligência e tornar afortunado o coração, compete-nos, igualmente, utilizar os bens entesourados.

Assim pois,

- que fazes, hoje, da prata da humildade, da bondade, da compreensão, da força mental, da disciplina, da saúde ou da tranqüilidade que as muitas vidas te permitiram trazer à tona de teu espírito?

A que destinos conduzes o ouro dos conhecimentos científicos, dos estudos prolongados, do verbo fácil ou do amor que aprendeste a amealhar pelos séculos incontáveis?

Examina-os e repara se os encontras enferrujados a um canto de teu espírito. Examina e age, conduzindo-os ao fogo benéfico da ação, para que te transformes em artífice obediente ao Senhor, a Quem possas apresentar, um dia, as tuas boas obras, quais jóias brilhantes, lavradas em benefício de todos e de ti mesmo.

Ottília (Espírito)