COMO ENSINAREI

"Prescreve estas coisas e ensina-as." - (I Timóteo, 4:11)

- Sabendo que o exemplo é o mais eloqüennte de todos os discursos e reconhecendo que a miinha imperfeição e fraqueza me impedem de exemmplificar todas as coisas que prescrevo em frases bem formadas, como as ensinarei?

- A enxada é ferramenta rude, pesada e simples, mas sem ela não plantarás a lavoura útil, não cultivarás o jardim primoroso, não impedirás a influência perniciosa da erva daninha.

O carvão é detrito preto e sujo, mas com ele poderás ter a luz que brilha dentro da noite, obterás o calor indispensável à vida nos meses de intenso frio e contarás com o fogo amigo para preparar o alimento sadio e indispensável.

E, tanto a rudeza da enxada será descullpada pelo bem que presta e pela beleza que torna possível existir, quanto a imundície do carvão será desconsiderada diante de tanto benefício e alegria que a luz e o calor podem trazer.

Assim também,

- se te reconheces fraco para a luta contigo mesmo;

- imperfeito para preencheres os padrões de virtude e de sabedoria;

- insensível aos sentimentos purificados; impuro e crivado de dívidas e erros, mas,

- se sabes vislumbrar a vida de quem pode vencer a si mesmo;

- se consegues idealizar ambientes de pureza sentimental, compreensão perfeita e fraternidade legítima;

- se almejas a paz íntima com a consciência tranqüila pelo dever cumprido e pela boa ação, sinceramente praticada;

- se sonhas com a sabedoria, a justiça e o amor presidindo as decisões de tua vida,

- não te furtes, agora, ao papel de enxada ou de carvão se, pelas palavras pacientemente repetidas e sinceramente lançadas nas mentes daqueles que te ouvem ou te lêem, podes ensinar as coisas boas e belas que já aprendeste sobre padrões mais elevados de sentimento, de atitudes e, conseqüentemente, da Vida.

Ottília (Espírito)