COMO ME HUMILHAREI

"Pois todo o que se exalta, será humilhado; mas todo o que se humilha, será exaltado." (Lucas, 14: 11)

- Como aprenderei a me humilhar sem me tornar servil, desanimado ou mesmo fingido, e, coomo conseguirei achar a linha da necessária autoconfiança sem, mesmo em pensamento, exaltar a mim mesmo?

- Das lições que os livros vivos das existências terrenas guardam para nos transmitir, a do equilíbrio é, certamente, uma das de mais longo aprendizado.

Mas ao compreenderes semelhante conceito, não te detenhas nas portas da indecisão, optando pela inércia, preguiça e temeridade a título de nada fazeres para não errares.

Se já conheces as alegrias da ação entusiástica pelo trabalho honesto de cada dia, e, se ao calor deste entusiasmo ultrapassas a linha mediana e te entregas à exaltação das próprias conquistas e realizações, humilha-te e cala a voz troante de teu ego, buscando enxergar em volta de teu campo de ação, pessoas e circunstâncias sem as quais não terias sido o instrumento da realização em destaque.

Se, porém, estás do outro lado da faixa do equilíbrio e preferes as atitudes de constante servilismo, cômodo e injustificável, humilha-te e aproveita o minuto que passa, para cresceres dentro de tua tarefa, movimentando as forças do Bem que já conheces, mesmo que isto te granjeie a incompreensão gratuita.

Humilha-te hoje, calando. Humilha-te amanhã, agindo.

Humilha-te calando, para não seres humilhado, de surpresa, pelo clamor de tua própria exaltação e humilha-te agindo, para seres exaltado em silêncio por tuas boas ações.

Humilha-te agora, para sentires depois a exaltação jubilosa que experimentam os verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, quando se propõem a seguir na caminhada rumo às paisagens radiosas da Vida Superior.

Ottília (Espírito)