COMO ME SUJEITAREI

"Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo e ele fugirá de vós." - (Tiago, 4:7)

- Como me sujeitarei aos desígnios do Pai Eterno e resistirei às forças negativas que me desorientam se, muitas vezes, acredito ver nessas, instrumentos de aprendizado valioso que o Senhor coloca em meu caminho para meu próprio proveito?

- Na verdade, o arado é instrumento precioso e indispensável ao amanho da terra inculta;

- na verdade, a dor é instrutora generosa que devemos aproveitar;

- indiscutível que o bisturi, em mãos capazes, é mensageiro bendito de renovação e de vida.

Mas,

- de nada valerá a terra simplesmente sulcada e revolvida;

- em nada nos aproveitará a dor, única e somente pela dor;

- em nada melhorará o órgão doente e desequilibrado, o fato de ser visto e analisado após a incisão no aparelho físico.

Importa que a terra seja enriquecida e aproveitada.

É necessário que a dor deixe conosco as lições da paciência, superação e fortaleza.

É imprescindível que as sedes de infecção sejam tratadas convenientemente.

Assim também,

- as situações ou os companheiros que nos hostilizam por se encontrarem em campo contrário àquele em que nos esforçamos viver, aprendendo as lições do Divino Mestre, merecem de nossa parte resistência construtiva: resistência que significa luta edificante e produção valiosa; resistência que produz enriquecimento de valores íntimos; resistência que resulta em renovação de possibilidades de vida.

Resistindo, assim, às imposições do caminho terreno, sem comodismo preguiçoso ou servilismo injustificável, estarás te sujeitando a Deus, Nosso Pai, que espera de tudo e de todos o Bem Eterno.

Ottília (Espírito)