COMO NÃO ESTAREI ANSIOSO

"Se, pois, não podeis fazer nem as coisas mínimas,
porque estais ansiosos pelas outras?" - (Lucas, 12:26)

Sabendo que devo assumir a responsabilidade de meus menores atos e que devo tomar as iniciativas, pequenas embora, que me competem dentro dos limites de minhas atividades, como não estarei ansioso pelas grandes coisas que definem, propriamente, o rumo e o significado principal da vida?

- Certamente, é necessário que uses o teu livre arbítrio nas decisões, acertadas ou não, que te cumpre fazer no decurso de teus dias em cada vida na Terra.

Imprescindível se faz que a experiência te instrua, individualmente, em cada setor da luta e do aprendizado a firn de que a compreensão seja em ti um sentimento básico, a virtude transpire em teus mínimos atos e a pureza seja dentro de ti o escudo com que enfrentes, destemido, qualquer situação menos digna.

Verdadeiros os ensinamentos que te dizem que só pelas pequeninas coisas bem feitas, obterás as grandes e duradouras obras.

Entretanto,

o oleiro faz bem feito o tijolo e a telha, mas não saberá idealizar e dirigir a construção para a qual os mesmos se destinam;

o aluno faz bem feita a lição de cada dia, mas não poderá estruturar um plano de estudos apropriado ao curso que deve seguir a fim de desenvolver a mente e adquirir os conhecimentos de que necessita;

o aprendiz de alfaiate faz bem feito os arremates de determinada peça de indumentária, mas não saberá dar os cortes necessários em tecido informe, a fim de que ele se transforme naquilo a que se destina.

Assim também,

tu, que ainda és o oleiro de tuas pequenas conquistas íntimas, o aluno das lições iniciais dos Cursos da Eternidade e o aprendiz de boa vontade, não estejas ansioso pelo projeto, pela orientação ou pela transformação das diretrizes gerais de tua vida, porque só podem ser realizados pelo Divino Mestre, que conhece nossas reais necessidades e projeta nossa destinação para o Bem Eterno.

Ottília (Espírito)