COMO SEREI ATRIBULADO

"Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos,
mas não desesperados; perseguidos, mas não abandonados;
derribados, mas não destruídos." - (II Coríntios, 4:8 e 9)

- Como serei atribulado pela adversidade, pela maldade ou pela dor, sem me tornar presa da angústia ou do desespero e sem me sentir abandonado ou destruído?

- Assim como o ferreiro, que malha compassadamente o ferro, conhece o grau de incandescência necessário para que o ferro informe sofra a necessária transformação;

- assim como o mestre atento e dedicado exiqirá do discípulo mais exercícios nos pontos em que se mostre mais atrasado,

- também os Mentores da Vida Terrena, amparados na misericórdia do Divino Mestre, permitirão que as próprias forças e circunstâncias negativas de nossa esfera carnal sejam o fogo bendito, sejam os compêndios preciosos de que necessitamos para nossa transformação e para nosso adestramento nas práticas evangélicas.

Se, pois, te sentes atribulado pela contradição aos princípios arraigados de tua vaidade ou de teu orgulho, atenta para que não te angustie, inutilmente, a negação imposta.

Se te quedas perplexo ante a soma de débitos que a tua maldade acumulou para teu espírito, não te desesperes e recorda que a porcelana translúcida foi, um dia, argila grosseira.

Se te sentes perseguido, analisa teu perseguidor e conhecendo o campo em que se situa, rende graças ao Senhor por já te encontrares em clima mais elevado e confia, porque Ele jamais te abandonará.

Se fores derribado da posição de trabalho e dignidade que o esforço te consagrou, reconhece que inúmeras outras vezes o poderás ser sem jamais seres destruído porque teu espírito é eterno e, ao impulso de tua força de vontade, levantar-se-á sempre.

Recebe com calma a tribulação e não te angusties, não te desesperes, não te sintas abandonado ou destruído porque o Divino Amigo conhece-te melhor e não permitirá que permaneças no fogo de uma luta terrena, por mais tempo do que o que possas ou necessitas suportar.

Ottília (Espírito)