MARIA DE MAGDALA

"E algumas mulheres que haviam sido curadas de Espíritos malignos
e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual sairam sete
Espíritos malfeitores."

Jesus Cristo desceu ao nosso Planeta, a fim de aqui desempenhar uma tarefa iluminatória, clareando, desta forma, , horizontes sombrios do mundo. Não obstante, poucos, dentre , seus contemporâneos, souberam tirar proveito dessa abertura que os Céus proporcionaram à Terra.

Infelizmente, muitos homens permaneceram recalcitrantes, e, conforme diz o Evangelho segundo João (7:5), "Nem os próprios irmãos acreditavam nele". Entretanto, a sua mensagem de fé, de esperança e de amor fez morada em muitos corações, algumas pessoas de mente arejada e sequiosas de conhecerem novas verdades identificaram-se com a Boa Nova, dentre elas a figura magistral de Maria Madalena que, por isso, tornou-se uma das mais humildes seguidoras de Jesus.

Maria era oriunda de Magdala, um povoado da Palestina, situado à beira do lago de Tiberíades; daí, ela ter merecido o cognome de Madalena.

Na verdade, constitui-se Madalena no exemplo vivo da mulher que soube sobrepujar os obstáculos da vida terrena, fazendo-o com determinação e dedicação extremas, tornando-se deste modo, paradigma para todas as mulheres e homens do mundo, em todas as gerações.

Convivendo com Jesus Cristo, seguindo-O em sua trajetória terrena, quando do desenvolvimento do seu fulgurante Messiado, ela tornou-se admirada pelo próprio Mestre, face à sua extremada dedicação e ao desapego que demonstrou pelas coisas transitórias do mundo.

Madalena soube enfrentar os convencionalismos da Terra; abandonou as vantagens temporárias que poderia auferir no mundo, as comodidades de uma vida faustosa, os ricos adornos que a enfeitavam, e preferiu, antes, abraçar uma causa nobre e, mais do que isso, a integração na maior missão jamais desenvolvida na Terra, por um grande emissário de Deus.

Abandonou as precárias riquezas terrenas, que lhe poderiam proporcionar conforto e despreocupações, para abraçar a riqueza verdadeira, imperecível, permanente, a única que impulsiona a criatura rumo ao Criador, constituindo-se, assim, numa verdadeira dádiva dos Céus.

Não se encontra, nos Evangelhos, melhor paradigma para a demonstração do que seja reforma interior. A vida de Madalena transformou-se num verdadeiro apostolado, um exemplo vivo para toda a Humanidade; quando, um dia, se defrontou com Jesus Cristo, Ele dela afastou uma legião composta de sete Espíritos malignos; Madalena vivia nos fastígio, na opulência, num verdadeiro emaranhado de caprichos, vaidade e luxo.

Posteriormente a esse encontro, a jovem de Magdala deu uma guinada em sua vida; mudou o rumo de sua trajetória terrena, tornando-se uma das mais humildes e dedicadas seguidoras do Mestre, acompanhando-O em todos os momentos de sua vida, sendo uma das poucas mulheres que presenciaram o hediondo sacrifício do Calvário.

Na realidade, a luta contra os vícios é árdua; requer decisão firme e inabalável; no entanto, Madalena lutou contra terríveis viciações e sobrepujou todas, fazendo-o sem vacilar. Ela soube seguir a recomendação de Jesus: "Quem tomar do arado não olhe mais para trás." Maria lutou e venceu, e o Espírito de Jesus, após o doloroso episódio da crucificação, levou em alto apreço a reforma íntima dessa jovem; por isso, Maria foi a escolhida para, com prioridade, receber a visita do seu excelso Espírito. O Mestre, em Espírito, não cogitou de aparecer à sua extremosa mãe, a seus irmãos, a seus apóstolos. Madalena foi a escolhida para essa nobilitante finalidade, pois Jesus, com isso, objetivou demonstrar-lhe todo o seu apreço pela grande luta que ela havia encetado, por ter assimilado, de forma ampla, os seus ensinamentos, operando em si a reforma interior, objetivo primacial do advento de Jesus Cristo entre nós, reforma essa que Ele definiu como a conquista do Reino do Céu.

Paulo A. Godoy