EVITA CONTENDER

"Ao servo do Senhor não convém contender." - Paulo, (II Timóteo, 2:24)

Foge aos que buscam demanda no serviço do Senhor.

Não estão eles à procura de claridade divina para o coração.

Apenas disputam louvor e destaque no terreno das considerações passageiras.

Analisando as letras apagadas, não atraem recursos necessários à própria iluminação e, sim, os meios de se evidenciarem no personalismo inferior.

Combatem os semelhantes que lhes não adotam a cartilha particular, atiram-se contra os serviços que lhes não guardam o controle direto, não colaboram senão do vértice para a base, não enxergam vantagens senão nas tarefas de que eles mesmos se incumbem.

Estimam as longas dicussões a propósito da colocação de uma vírgula e perdem dias imensos para descobrir as contradições aparentes dos escritores consagrados ao ideal de Jesus.

Jamais dispõem de tempo para os serviços da humildade cristã, interessados que se acham na evidência pessoal.

Encontram sempre grande estranheza na conjugação dos verbos ajuda, perdoar e servir.

Fixam-se, invariavelmente, na zona imperfeita da humanidade e trazem azorragues as mãos pelo mau gosto de vergastar.

Contendem acerca de todas as particularidades da edificação evangélica e, quando surgem perspectivas de acordo construtivo, criam novos motivos de perturbação.

Os que se incorporam ao Evangelho Salvador, por espírito de contenda, são dos maiores e dos mais sutis adversários do Reino de Deus.

É indispensável a vigilância do aprendiz, a fim de que se não perca no desvario das palavras contundentes e inúteis.

Não estamos convocados a querelar e, sim, a servir e a aprender com o Mestre; nem fomos chamados à entronização do "EU", mas, sim, a cumprir os desígnios superiores na construção do Reino Divino em nós.

Emmanuel