FRATERNIDADE DISCÍPULOS DE JESUS

Em 1950, já tendo o Comandante Armond fundado a Escola de Aprendizes foi inspirado pelos Veneráveis, para designar os iniciantes como Aprendizes, e, no segundo ano, como Servidores; quando a primeira turma passou para o terceiro ano, em maio de 1952, recebeu o título de Discípulos.

Isto porque, se, no primeiro ano, aprenderam a amar Jesus, e, no segundo, foram orientados como servi-lo, chegando ao terceiro, deveriam fazê-lo por conta própria, assumindo a responsabilidade de, pela vivência, se tornarem "Testemunhos Derradeiros do Evangelho Redentor".

Todavia, já no final da primeira turma alguns companheiros foram chamados à Pátria Espiritual, sendo recebidos pelos Benfeitores, a fim de continuarem a tarefa no Plano Maior.

Em sequência, ano a ano, foram desencarnando Rangel, Vinícius, Azeredo, Montagnini, Carmen Cruz, Cássio e Pia Maciel, Lígia Jardim e muitos outros que se agruparam em tarefas do amor cristão.

Depois de rever todo o seu programa de vida, o Comandante Edgard Armond também partiu para a Espiritualidade, em 1982; reunindo-se aos companheiros do Alto, começou a trabalhar em benefício dos encarnados, e enorme é seu contentamento cada vez que uma nova turma assume o discipulado, acendendo luzes de carinho em seu coração.

Em 1992, os Dirigentes da Federação Espírita do Estado de São Paulo e da Aliança Espírita Evangélica, inspirados pelo Plano Maior, convidaram todos os discípulos das várias Casas Espíritas, para, juntos, festejarem os 40 anos da Fraternidade.

E nesse mesmo ano, 1992, a 17 de maio, no Auditório Bezerra de Menezes, da Federação Espírita do Estado de São Paulo, todos os irmãos proporcionaram, também, o encontro das Grandes Fraternidades, e, unidos os dois Planos de vida, num ambiente harmoniosamente cristão, ofereceram um contingente vibratório tão luminoso, tão fraterno, que nos foi possível assistir à investidura do Comandante como Líder da Fraternidade dos Discípulos de Jesus, recebendo um Trevo dos Emissários de Maria de Nazaré, responsabilizando-o mais uma vez, de liderar os Aprendizes do Evangelho nos dois Planos de vida, a fim de concretizar a destinação do Brasil como Coração do Mundo e Pátria do Evangelho.

Por isto, vemos companheiros espirituais, incentivando a criação de novas Escolas de Aprendizes, onde as criaturas possam desenvolver, a par com o estudo, a convivência carinhosa que gera o verdadeiro sentimento de Fraternidade.

Atualmente, a nossa Fraternidade já conta com algumas centenas de companheiros no plano espiritual e alguns milhares de encarnados. Os Veneráveis continuam estimulando o estudo e a pesquisa, para que, neste final de século, os dois Planos, unindo-se na disseminação do Evangelho, possam diminuir o sofrimento na Terra.

Martha G. Thomaz