A CORAGEM DA FÉ


Todo aquele, pois, que me confessar diante dos homens, também eu .. confessarei diante de meu Pai que está nos céus; e o que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus (Mateus, X: 32-33.)

Porque se alguém se envergonhar de mim, e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na sua majestade, e na de seu Pai e dos santos anjos. (Lucas, LX-26.)

A coragem das opiniões sempre mereceu a consideração dos homens, porque é prova de dignidade enfrentar os perigos, as perseguições, as discussões, e até mesmo os simples sarcasmos, aos quais sempre se expõe aquele que não teme confessar abertamente idéias que não são admitidas por todos. Nisto, como em tudo, o mérito está na razão das circunstâncias e dos resultados que podem advir.

Há sempre fraqueza em recuar diante das consequências da sustentação das opiniões, mas há casos em que isso equivale a uma covardia tão grande como a de fugir no momento do combate. Jesus estigmatiza essa covardia, no tocante ao problema especial da sua Doutrina, ao dizer que, se alguém se envergonhar das suas palavras, ele também se envergonhará daquele; que renegará o que o houver renegado; que reconhecerá, perante o Pai que está nos céus, o que o confessar diante dos homens.

Em outros termos: Aqueles que temeram confessar-se discípulos da verdade, não são dignos de ser admitidos no Reino da Verdade. Perderão, assim, as vantagens da fé, porque se trata de uma fé egoísta, que eles guardam para si mesmos, ocultando-a, com medo dos prejuízos que lhes possa acarretar no mundo. Enquanto isso, os que colocam a verdade acima dos seus interesses materiais, proclamando-a abertamente, trabalham ao mesmo tempo pelo futuro próprio e pelo dos outros.

O mesmo acontece com os adeptos do Espiritismo, pois sendo a sua Doutrina o desenvolvimento e a aplicação da Doutrina do Evangelho, a eles também se dirigem essas palavras do Cristo. Eles semeiam na terra o que colherão na vida espiritual: os frutos da sua coragem ou da sua fraqueza.

CARREGAR A CRUZ. QUEM QUISER SALVAR A VIDA

Bem-aventurados sereis quando os homens vos aborrecerem, quando vos separarem, e carregarem de injúrias, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do Homem. Folgai naquele dia, e exultai; porque, olhai, que grande é o vosso galardão no céu; porque desta maneira tratavam aos profetas os pais deles. (Lucas, VI: 22-23.)

E chamando a si o povo, com seus discípulos, disse-lhes: Se alguém me quiser seguir, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque o que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas o que perder a sua vida por amor de mim e do Evangelho, salvá-la-á. Pois de que aproveitará ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? (Marcos, VIII: 34-36, e semelhante em Mateus, X: 38-39, João, XII: 25-26 e Lucas, IX: 23-25.)

Regozijai-vos, disse Jesus, quando os homens vos odiarem e vos perseguirem por minha causa, porque sereis recompensados no céu. Essas palavras podem ser interpretadas assim: Sede felizes quando os homens, tratando-vos com má vontade, vos derem a ocasião de provar a sinceridade de vossa fé, porque o mal que eles vos fizerem resultará em vosso proveito. Lamentai-lhes a cegueira, mas não os amaldiçoeis.

Após isso, acrescenta: "Tome a sua cruz aquele que me seguir", isto é, que suporte, corajosamente as tribulações que a sua fé provocar, pois aquele que quiser salvar a sua vida e os seus bens renunciando a mim, perderá as vantagens do Reino dos Céus, enquanto os que tudo perderem aqui embaixo, até mesmo a vida, para o triunfo da verdade, receberão na vida futura o prêmio da coragem da perseverança e da abnegação. Mas para os que sacrificam bens celestes aos gozos terrenos, Deus dirá: Já recebestes a vossa recompensa.

O Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec, cap. XXIV