A EQUIDADE

Eqüidade é sentimento de justiça.

Ela se desvenda, sublime, naqueles que guardam a disposição de reconhecer em amigos e desafetos o direito de cada um de superar-se a si mesmo, reajustar-se ao bem.

O homem fiel ao bem é rico em bênçãos de vida espiritual.

Evite de ser parcial, para não ser injusto.

Por um momento fugaz de intolerância, você poderá induzir aquele que necessita de um pedaço de pão ou de uma singela atenção a suas aflições a cometer um desatino.

A criatura ambiciosa poderá estar à caça de riqueza fácil, mal sabendo que esse é o vestibular de sua própria indigência.

Quem com a língua adula, perderá os favores que conquistar no curso de seus dias.

Não confie cegamente nos impulsos de seu coração.

Antes, verifique se eles refletem a luz divina.

Faça todo o bem que lhe for possível, sem esperar reconhecimento.

Quem ampara aos desvalidos; não sofrerá penúrias espirituais.

Aquele, porém, que fecha o coração à dor alheia, cava a sua própria ruína.

Fora da caridade não há eqüidade - é a máxima da vida espiritual.

Roque Jacintho