DIANTE DO PRÓXIMO

Próximo é aquele que precisa de você.

Dê a todo o que lhe pede - recomendou Jesus. Talvez o próximo lhe peça um pedaço de pão e você não o tenha para dar-lhe. Isso, contudo, não impedirá que você o recolha no calor de seus sentimentos e lhe oferte o pão-espiritual da luz, para alentá-lo em sua rude provação.

Tenha compaixão dos que sofreram quedas morais.

São eles, na realidade, infelizes em si mesmos, torturados pelos clamores da própria consciência.

Mais que outro juiz, que os condene ao infortúnio, são carentes de amparo, já que são os próximos mais próximos de sua alma, e já que um dia você também sofreu falências de virtudes e não está livre de repetir-se nos mesmos equívocos.

Não recuse um favor a quem o necessita.

Se você pode realizá-lo, jamais despeça o seu próximo dizendo-lhe para que volte a procurá-lo numa outra hora. Você desconhece quais os descaminhos que a inquietação poderá abrir para os passos dele.

Quando puder dar, dê logo.

Não trame mal contra seu próximo quando ele vive confiando em você.

É bem provável que seja ele algum benfeitor de suas vidas passadas a rogar-lhe por um tanto de atenção e carinho, necessitado de receber de retorno o amparo que outrora ofertou a você.

Poderá, também, ser ele amanhã um seu superior espiritual.

E como, então, você conviverá com ele, sem ser esmagado pela sua própria consciência, se, enquanto ele lhe devotava afeição e queria descobrir em você a luz da esperança e da fé, você estava a tramar contra ele?

Não abra luta contra o próximo.

Se o seu semelhante não lhe faz mal algum? por que você pleiteará contra ele?

Examine-se para ver se você não se envolveu em sombras.

Se motivo houver para a lide, antes de desencadeá-la, criando embaraços para o seu próprio futuro por esculpir um inimigo com a sua afoiteza, busque as vias de um entendimento.

Um tribunal humano não deslinda questões espirituais.

Não raro é preferível perder bens que são da Terra, embora com sofrimento, uma vez que mais adiante, com o amparo celestial, você conquistará todos os necessários para assegurar-lhe a sobrevivência com dignidade, sem que você venha a perder a serenidade de sua alma por contender com alguém que seja duro de coração.

Não inveje o homem violento e suas aparentes conquistas.

Não inveje o que acumula riquezas com impiedade.

Não inveje o que junta fortuna com iniqüidade.

Além de não invejá-los, não queira seguir a nenhum de seus caminhos, porque Jesus esperará por eles apenas depois que a lei de causa e efeito se cumpra, acolhendo o perverso após o choro e ranger de dentes de reencarnações expiatórias.

O Mestre abençoa a morada dos justos. A vida cobra dos escarnecedores.

O céu é estado dalma dos humildes, onde estejam.

A insegurança e a ausência de fé são fruto daqueles que plantam e colhem as sementes do mal.

Ame o próximo, doando-lhe o mesmo esforço que você emprega na sua auto-educação, com a messma intensidade com que você se empenha no cumprimento de seus deveres, com o mesmo espírito de obediência às leis de realização e trabalho, com a a mesma perseverança na fé e em Jesus Cristo.

É assim que você se ama e que deve amar a seu próximo.

Seja ativo no campo do Bem.

Faça o seu próximo tudo o que desejaria que o próximo lhe fizesse, mesmo que ele, agora, nada faça em benefício de você. Quem ama não está num comércio de trocas e, em se ofertando generosamente a seu semelhante, coisa alguma aguarda que o próximo lhe retribua.

Roque Jacintho