FUNÇÃO DA DISCIPLINA

O néscio desdenha a família.

O espírito empenhado na obra de sua própria recuperação, no entanto, atende aos desencontros e às instruções familiares para superar as suas próprias deficiências.

Os maus comem o fruto de sua perturbação.

Aqueles que estão na labuta para endireitar o próprio coração, no cadinho da vida e sob o calor do Evangelho, alcançam grande fartura espiritual para a sua existência.

O coração do insensato não é reto.

Os lábios daqueles que abraçam a disciplina cristã, exteriorizando o amor que lhes nasce dos sentimentos enobrecidos, revelam discernimento e abrem estradas na floresta de seus antigos erros, para chegarem ao bem.

O sacrifício dos pérfidos é a desolação.

A oração que brota do coração de quem eslá empenhado na reformulação de seus hábitos viciosos, contudo, chega até Jesus e retorna em chuva de bênçãos sobre a mente de quem a profere.

O caminho do impiedoso é de espinhos.

O céu somente se instala no coração daqueles que acolhem pacientemente a justiça e que recobrem os seus erros com o exercício do amor.

Quem se afasta do amor, sofre.

Aquele que desdenha da disciplina, soma problemas para o seu presente e dores para seus dias futuros.

Somente alcança a vida quem se disciplina e se ajusta ao bem.

A vida espiritual e toda a sua vida presente são páginas abertas diante de Jesus.

Assim também os nossos corações.

O zombador cava a sua ruína.

Aquele, porém, que se submete aos Desígnios Divinos, cria a sua própria felicidade.

Roque Jacintho