O QUE É PIDION HABEN?

Ritual judaico cuja origem remonta aos tempos bíblicos, o Pidion Haben - resgate do primogênito, em hebraico - tem uma função bem específica: liberar o primeiro filho da obrigação de auxiliar o sacerdote no templo.

Esse dever nasceu com o fim da escravidão dos hebreus no Egito, quando, segundo os textos sagrados, na última praga enviada por Deus o Anjo da Morte dizimou todos os primogênitos egípcios, mas poupou os judeus.

Em troca, os primeiros filhos de Israel ficaram predestinados ao templo.

Mais tarde, porém, esse encargo foi transferido aos descendentes de Aarão (os cohanim) e aos da tribo de Levi.

Assim, pela dispensa das obrigações, os demais judeus deveriam realizar a cerimônia.

O ritual também relembra a tradição judaica segundo a qual os primogênitos deveriam ser ofertados a Deus - como os primeiros frutos da colheita.

O Pidion Haben ocorre no 310 dia de vida do bebê - só passam pelo rito os filhos nascidos de parto natural (os adotivos ou que nasceram de cesariana são dispensados do resgate).

Na cerimônia, que transcorre em clima bem humorado, o cohen (descendente dos cohanim) apresenta duas opções ao pai: entregar a criança ao templo ou pagar o resgate de cinco moedas de prata.

O pai, claro, opta por "comprar" de volta o bebê.

"Hoje em dia o ritual é pouco observado pela maioria dos judeus", diz o rabino Alexandre Leone, da Congregação Israelita Paulista.

"De qualquer forma, é uma celebração muito alegre, que não busca diferenciar esse filho dos outros."

Mariana Iwakura - Revista das Religiões