O QUE FOI O ÍNDEX?

Abolido em 1962 pelo papa ]oão XXIII, no Concílio Vaticano II, o Índex era uma lista de livros proibidos pela Igreja Católica.

Desde o início do Cristianismo, as autoridades eclesiásticas tentavam controlar o que não devia ser lido pelos fiéis, mas a censura só foi oficializada no século 16, quando o pontífice Pio V instituiu a Sagrada Congregação do Índice (Índex), que elaborou um catálogo das obras proibidas, periodicamente atualizado a partir de sua criação.

Os livros só eram impressos após passar por um censor oficial, que julgava se a obra tinha algo de nocivo.

Eram vetadas publicações que propusessem qualquer tipo de heresia ou superstição,que contivessem obscenidades, ou que tratassem de assuntos religiosos de forma não respeitosa.

Como dizia o prefácio do Índex publicado em 1930:

"Livros irreligiosos e imorais estão, às vezes, redigidos em estilo atraente e tratam com freqüência de assuntos que, afagam as paixões carnais e lisonjeiam o orgulho do espírito."

Segundo estudiosos, porém, o crivo da Igreja muitas vezes deu margem a arbitrariedades.

De fato, fizeram parte da lista negra, por exemplo, clássicos como Notre-Dame de Paris, de Victor Hugo, e A Origem das Espécies, de Charles Darwin.

"Não podemos julgar a cultura de outras épocas com os critérios da nossa, mas não há como justificar o fato de o Índex ter sido mântido por tanto tempo", diz o antropólogo Benedito Miguel Gil, da Universidade de São Paulo.

Carla Soares - Revista das Religiões