O QUE SÃO EVANGELHOS APÓCRIFOS?

A tradução das primeiras linhas deixou Quispel estupefato:
"Estas são as palavras secretas que Jesus, o Vivo, proferiu,
e que seu gêmeo, Judas Tomé, anotou"

Em dezembro de 1945, um camponês árabe fez uma espantosa descoberta arqueológica no Alto Egito, Muhamed Ali al-Salmman e seus irmãos haviam selado seus camelos e ido até a montanha Jabal, perto da cidade de Naj Hamadi, recolher um tipo de fertilizante para usar nas plantações.

Enquanto cavavam, descobriram um pote de cerâmica vermelha de quase um metro de altura, Esperando encontrar ouro, os irmãos quebraram o vasilhame, mas, em vez do metal nobre, acharam 13 livros de papiro encadernados em couro, Sem suspeitar a importância da descoberta, os irmãos deixaram os livros sob os cuidados de um sacerdote local.

Depois, um professor de História de Naj Hamadi viu os papiros e, suspeitando que fossem valiosos, enviou um deles para ser avaliado no Cairo. Confirmada a antiguidade dos manuscritos, eles logo começaram a ser vendidos no mercado negro.

Os documentos atraíram a atenção do governo egípcio, que acabou adquirindo um e confiscou dez e meio dos 13 livros, depositando-os no Museu Copta do Cairo. Um dos manuscritos, porém, foi contrabandeado para o Ocidente e acabou caindo nas mãos de Gilles Quispel, proeminente historiador das religiões de Utrecht, Holanda.

Ao examinar o texto, escrito em copta, Quispel notou que algumas páginas estavam faltando e decidiu ir ao Egito para tentar encontrá-las. Chegando no Cairo, Quispel conseguiu emprestadas do Museu Copta fotografias de alguns dos textos de Nag Hamadi.

A tradução das primeiras linhas deixou Quispel estupefato: "Estas são as palavras secretas que Jesus, o Vivo, e que seu gêmeos Judas e Tomé, anotou.

O que Quispel tinha nas mãos era o Evangelho de Tomé que, ao contrario dos evangelhos do Novo Testamento, era um texto secreto, banido pela Igreja no século 2, Mais que isso, o Evangelho de Tomé era apenas um entre os 52 textos descobertos em Nag Hammadi.

Os manuscritos eram uma coletânea de antigos evangelhos cristãos até então desconhecidos, Além do Evangelho de Tomé, a descoberta incluía o Evangelho de Felipe, o Evangelho da Verdade, o Evangelho dos Egípcios e textos atribuídos a seguidores de Jesus, como O Livro Secreto de Tiago, o Apocalipse de Paulo e o Apocalipse de Pedro.

Mas por que esses textos foram enterrados? Por que permaneceram ocultos por quase dois mil anos? Na verdade, a descoberta de Nag Hamadi desvelou também uma disputa para a formação do Cristianismo primitivo. Os livros secretos, ou apocryphon, em grego, de Nag Hamadi e outros semelhantes foram denunciados como heréticos pelos cristãos ortodoxos em meados do século 2°.

Para preservar seu conhecimento esses cristãos, hoje chamados de gnósticos, esconderam seus apocryphon para evitar que fossem destruídos. E, dois mil anos depois, os evangelhos apócrifos ressurgiram, trazendo à tona os ensinamentos cristãos anteriores à Igreja Católica.

Revista das Religiões