QUAL A SITUAÇÃO DA ALMA NO CASO DO INDIVÍDUO AUTISTA?

"A CIÊNCIA NÃO DESCOBRIU A CAUSA DO AUTISMO,
E ATÉ HOJE NÃO HÁ UM TRATAMENTO QUE ALCANCE
A CURA".

O autista vive num mundo próprio, fechado em si mesmo, evitando o contato e qualquer tentativa de acesso ao seu interior.

O autismo é um desenvolvimento inadequado da criança ocorrido antes que ela complete três anos, e que o acompanha por toda a vida.

As estatísticas contam 20 casos em cada 10 mil nascidos.

No passado, alguns pesquisadores imaginaram em uma mãe negligente, fria o bastante para comprometer o desenvolvimento do filho, como causa do autismo.

Mas esta é uma conclusão preconceituosa e até ofensiva aos pais. Felizmente as evidências afastam essa hipótese: "Não se conseguiu até agora provar qualquer causa psicológica no meio ambiente dessas crianças, que possa causar a doença'; afirma a Autism Society of of America - ASA.

O autista vive num espaço emocional e mental próprio, isolado, sem tomar conhecimento do que se passa a sua volta.

Ele se manifesta principalmente por atitudes repetitivas, como girar em torno de si mesmo, movimentar pratos ou rodar sem parar.

A ciência não descobriu a causa do autismo, e até hoje não há um tratamento que alcance a cura

O escritor Herminio Miranda fez uma pesquisa profunda e dedicada sobre o assunto que se tornou um grande sucesso editorial, Autismo - uma Leitura Espiritual.

Na Bienal do Livro de 2000, em São Paulo, SP, Herminio foi surpreendido por dezenas de crianças e adultos entusiasmados envolvendo-o carinhosamente. Era um grupo de autistas com seus pais, consolados e esclarecidos pela leitura do livro, prestando ao autor uma comovente e merecida homenagem.

Nessa obra, cuja leitura recomendamos, Herminio diz: "O autismo continua sendo um desafio, um enigma, uma esfinge. De minha parte, estou convencido de que alguns dos seus aspectos nucleares somente se abrirão ao nosso entendimento a partir da introdução da realidade espiritual no modelo com o qual abordamos".

Segundo o pesquisador, a causa seria "um sentimennto de culpa não resolvido, suscitado por um desvio de comportamento", ocorrido em vidas passadas. Contudo, o autismo não é um castigo, mas um instrumento de aprendizado, de "ajuste da consciência ética fustigada pelo arrependimento ou remorso e desejosa de se pacificar", conforme explicou Herminio, no livro.

A ciência não fará progressos apenas esmiuçando o cérebro célula a célula. O materialismo é um véu posto entre a realidade e os olhos do cientista. Finalizamos com as lúcidas palavras de Herminio:

"Estou convencido de que avanços mais significativos na melhor definição da etiologia do autismo continuem na dependência da aceitação do ser humano como entidade espiritual preexistente, sobrevivente e reencamante. Essa realidade precisa ser aceita em bloco, sem mutilações."

Redação - Revista Universo Espírita