QUAL É A ORIGEM DO USO DA BURCA?

Antes de qualquer coisa, é preciso esclarecer que burca é o nome dado ao véu usado pelas muçulmanas em nações como o Meganistão, onde é uma veste completa, que vai da cabeça aos pés e tem apenas uma telinha na altura dos olhos.

Já em outros países islâmicos o véu tem formas e nomes diferenciados: na Arábia Saudita, por exemplo, chama-se 'chador' e cobre apenas a cabeça.

Ou seja, embora tenha se tornado símbolo da opressão do regime Talibã sobre as afegãs, a burca nada mais é do que o modelo mais fechado do véu islâmico.

Assim, mudemos nossa pergunta para:

-"Qual é a origem do uso do véu muçulmano?"

De acordo com Elora Shehabuddin, professora de Religiões e Estudos sobre a mulher da Universidade de Rice, nos Estados Unidos, o costume precede o próprio surgimento do Islamismo.

"O véu não era comum entre os grupos próximos ao profeta Maomé e só começou a prevalecer na comunidade islâmica à medida que os muçulmanos conquistavam áreas onde era utilizado, como o Mediterrâneo cristão", diz Shehabuddin.

Segundo religiosos, o uso do véu é uma norma do Corão. "O Livro Sagrado ensina: 'Profeta, dize a suas esposas, a tuas filhas e às mulheres dos crentes que se cubram com suas jalabib', que é um dos nomes do véu", afirma sheik Jihad Hassan, vice-presidente da Assembléia Mundial da Juventude Islâmica na América Latina.

"Há o livre-arbítrio, claro, e a mulher pode optar por não usar o véu.

Porém, vai estar negando uma lei divina." Em países fundamentalistas, contudo, ela está sujeita a penalidades que incluem até a prisão.

Mas nem sempre a burca e outros tipos de véu são vistos pelas mulheres como uma obrigação.

"Muitas optam por usar a burca porque sentem-se protegidas dos olhares masculinos", diz Shehabuddin.

Cláudia de Castro Lima - Revista das Religiões