QUEM É O ANTICRISTO?

Uma das figuras mais emblemáticas do imaginário cristão, o anticristo é visto como um personagem que aparecerá no final dos tempos representando Satã na derradeira luta enntre o bem e o mal. Inicialmente se passará por um seguidor de Jesus, seduzindo milhões de cristãos, mas por fim será desmascarado e derrotado pelos exércitos celestiais. Segundo estudiosos, porém, essa descrição não encontra embasamento bíblico.

"Essa imagem do anticristo está muito presente na mentalidade popular, mas aparece pouco nas Escrituras", diz o exegeta Irineu Rabuske, da PUC do Rio Grande do Sul. De fato, as referências bíblicas ao marechal de Lúcifer são escassas e pouco informam a seu respeito. Além disso, ele não seria um guerreiro, mas sim um charlatão, como explicita a segunda epístola de João: "De fato, muitos enganadores têm saído pelo mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em corpo. Tal é o enganador e o anticristo" (2 João, 7).

Mas qual seria, afinal, a origem da visão do anticristo como o último e mais terrível combatente do Filho de Deus? A resposta estaria nos textos apócrifos e na literatura apocalíptica, como esta passagem do Antigo Testamento: "A cidade e o Lugar Santo serão destruídos pelo povo do governante que virá" (Daniel 9, 26).

"Desde a Idade Média, o anticristo é associado às bestas do Apocalipse", afirma o padre Johan Konings, do Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus, em Belo Horizonte. "E foi essa a versão que prevaleceu no imaginário popular."

Mas para alguns estudiosos essa personificação do anticristo não é correta - na realidade, ele seria um símbolo de tudo o que tenta obscurecer a manifestação divina. "O anticristo não é uma pessoa, mas sim qualquer conjunto de forças que impeçam que se instaure o reino de Deus na Terra.

Ou seja, ele está na sociedade, mas também dentro de nós", diz o cientista da Religião Carlos Frederico Barboza, da PUC de Minas Gerais. Nesse sentido, cada religião teria, a seu modo, um anticrissto. No Budismo, por exemplo, seriam as forças que impedem a iluminação do fiel.

Seja como for, ao longo da História o emissário satânico tem sido associado a diversas figuras, muitas vezes segundo interesses políticos da época. Para os católicos, por exemplo, o reformador Marrtinho Lutero já foi considerado um anticristo. Muitos protestantes, por sua vez, vêem no próprio papa a encarnação do opositor-mor de Jesus. Veja ao lado alguns personagens que já foram considerados a materialização do mal na Terra.

As faces do mal - Confira algumas das figuras já associadas à encarnação do anticristo

Nero (37-68)

Grande perseguidor dos cristãos no século 1, a quem tentava impedir que seguissem e divulgassem as mensagens do Salvador, o extravagante imperador romano foi considerado a primeira personificação do emissário de Lúcifer na Terra.

Adolf Hitler (1889 -1945)

Com um currículo que inclui o massacre de milhões de judeus, a pregação nazista da superioridade da raça ariana e o papel de protagonista de uma guerra mundial, o ditador alemão também foi tido como uma encarnação do anticristo.

Mabus

Segundo as profecias de Nostradamus, tal seria o nome do último anticristo, que no final dos tempos dará início a um novo conflito mundial. "Mabus logo morrerá e então haverá uma terrivel destruição de pessoas e animais", escreveu o astrólogo.

Marina Motomura - Revista das Religiões