3 - AÇÃO PROVEITOSA, CONSCIENTE E INCONSCIENTE

A ação dos Espíritos desencarnados repercute nos meios terrestres de maneira avassaladora; nada se subtrai a esse movimento; ele se exerce em todos os reinos da natureza, e sempre foi assim.

Ensina a doutrina, revelada pelo mundo espiritual, que os Espíritos desempenham funções em todas as manifestações do Cosmos, que atuam nos elementos, enchendo o espaço e influindo até nos fenômenos meteorológicos. Nos minerais, uma infinidade de Espíritos de certa categoria emprega sua atividade, ajudando-lhes a evolução.

As plantas não estão isentas dessa força protetora invisível, tendo o reino vegetal por protetores e colaboradores ocultos, para sua evolução e cumprimento de seu destino no mundo, Espíritos também de especial categoria. O mesmo ocorre no reino animal.

Respeito à espécie humana, quantos têm estudado os rudimentos, pelo menos, dos ensinos da Nova Revelação, conhecem a parte que tomam os Espíritos nos acontecimentos sociais, nas relações de família, e sabem que não há um só indivíduo na Terra pelo qual não vele a providência de seu Anjo Guardião, assim como que uma plêiade de Espíritos bondosos se esforça pelo seu bem.

Esta atuação, que rapidamente acabo de expor, exercida pelos Espíritos em todas as ordens e em todos os graus da evolução dos indivíduos e das coisas, uns a exercem conscientemente e outros inconscientemente.

No plano físico, o mesmo se observa: há indivíduos que são verdadeiros autômatos em suas manifestações; não têm consciência plena do que fazem; obedecem à imposição das circunstâncias, e, sem discernimento, entregam-se muitas vezes àquilo que repeliriam, se pudessem ter consciência do valor de sua ação.

Nem todos os Espíritos podem ser conscientes do labor que executam; impossível é que todos os que intervêm numa construção lhe conheçam os pormenores. O conhecimento integral do que se vai fazer e do que se faz seria um obstáculo sério ao êxito de certas empresas. É preciso que, em todo trabalho que requeira o concurso de muitos, alguns dos trabalhadores sejam simples máquinas, que se movam na direção e com o ritmo imposto pela força impulsora, sob a direção de uma inteligência que abranja todo o plano da obra a realizar-se.

Assim é, tanto na Terra como no Espaço, quando se tem de fazer algo que influa de maneira capital na marcha do progresso, na realização do plano evolutivo traçado pelo Criador.

Volvei a vista atrás e penetrai no campo da história de todos os povos. Observareis que, em seu progresso e desenvolvimento gradativos, interveio uma infinidade de fatores, muitos dos quais completamente inconscientes; observai, aprofundai a obra inconscientemente realizada por esses fatores, e descobrireis que foi uma necessidade esse movimento inconsciente, e compreendereis perfeitamente que, se esses autômatos tivessem tido consciência plena do que faziam, houveram malogrado o êxito da empresa.

Quando uma idéia tem de se impor ao mundo, para influir de maneira decisiva em sua civilização, na evolução que nele se está operando; quando é preciso que se dêem ao modo de ser social moldes novos, observareis que tudo contribui para o predomínio dessa idéia, tanto o labor que seus apóstolos realizam, como a oposição tenaz que lhe movem seus adversários. As apologias e as críticas favorecem-na. A afluência progressiva de novos adeptos, a lhe engrossarem as fileiras, aumentam-lhe o prestígio, o desenvolvimento e a firmeza nas consciências e na estrutura social. O mesmo resultado dão as perseguições, os combates que se ferem contra ela, pela oposição dos governos e dos pontífices. Nada lhe detém o passo. Partidários e adversários, todos lhe coadjuvam a vitória e, triunfante de todas as batalhas em que provou sua virtude e sua força e a missão divina que vem cumprir no seio da humanidade, vence, e a ela se convertem os que, antes, a combatiam, e perseguiam sem tréguas seus adeptos.

Sem buscar outros exemplos, entre os inúmeros que a história de todos os povos e de todos os tempos registra, atentemos somente no que ocorreu com o Cristianismo, e veremos confirmado tudo quanto vimos sustentando.

Ao contrário, quando uma idéia que já cumpriu sua missão na Terra tem de baixar à tumba, para dar passagem a outra, destinada a substituí-la, as mais calorosas e bem tramadas defesas tornam-se espadas que a ferem mortalmente.

O Espiritismo, destinado a concretizar e sintetizar num credo impecável tudo quanto de bom e verdadeiro se contenha em todas as demais idéias e sistemas, quer filosóficos, quer religiosos, a fim de realizar, num amanhã longínquo, a unidade de crença; que trouxe por missão dar forma a uma nova civilização, unir todos os seres racionais pelos laços da fraternidade, infundindo-lhes o sentimento do amor fraternal; que inicia a humanidade num conceito novo do ser e da vida, conceito que trará como conseqüência a total reforma da sociedade humana, constituindo-a em moldes completamente novos, de conformidade com o grau geral da evolução da espécie e os desígnios divinos esculpidos no plano evolutivo das almas e do planeta; o Espiritismo que, para tudo isso e para muito mais, fez o seu advento, visto que ele tudo abrange, nada havendo que se lhe subtraia, forçosamente tem de triunfar e, tendo de triunfar, porque assim está decretado pela Divindade, tudo concorre a seu favor.

Tanto quanto seus adeptos, por ele trabalham seus adversários; tanto quanto seus apologistas, para seu predomínio contribuem os que o criticam com a maior severidade. Os crentes sinceros são os esteios em que ele se firma; porém, não menos cooperam para a solidez de seu edifício os inimigos que se esforçam por lhe aniquilar as conquistas.

É que a Verdade por si só abre passagem e se impõe, porque a Verdade é o Bem. Como o Espiritismo é a consubstanciação da Verdade e do Bem, não há quem o possa obscurecer, nem anular.

Os adeptos, que aprofundaram o ideal e a ele vivem consagrados, são fatores conscientes de seu desenvolvimento e progresso; os inimigos, os adversários de toda espécie, são fatores inconscientes desse mesmo desenvolvimento e progresso.

E tudo isso observareis em maior escala no futuro.

À medida que se vá firmando a nova idéia no mundo, mais patentes tornar-se-ão os benefícios que decorrem tanto da ação consciente de seus verdadeiros adeptos, como da ação inconsciente de seus adversários. Até mesmo seus falsos partidários, aqueles que, figurando em suas fileiras, lançam por toda parte, sobre ele, o estigma da mistificação, desprestigiando-o, até esses fazem obra boa, sem o pretenderem, ou inconscientemente, da qual se beneficia a nova idéia, porque contribuem, por processos para nós incompreensíveis, mas que os Diretores espirituais compreendem perfeitamente, para a depuração dos defeitos que, por inépcia dos homens, se contenham em qualquer instituição ou organismo criado sob seu patrocínio ou em seu nome.

E a ação dos inimigos irreconciliáveis é a mais proveitosa para a implantação dos princípios trazidos ao mundo pela Nova Revelação. É a mais fecunda, quer parta das potências religiosas, quer se escude com o prestígio científico. Quanto mais enérgicos e tenazes forem os ataques, mais lucrará, perante a consciência universal, o novo ideal, que é invulnerável, como invulnerável é a Verdade e invencível o Bem. A Verdade e o Bem, que o Espiritismo representa, são realidades e não negações; são, por isso, indestrutíveis. Assim, as batalhas que se firam contra ele terão a virtude de lhe realçar o valor e a firmeza de seus fundamentos.

Continuem, pois, no labor de firmar o ideal os conscientes e os inconscientes. Proveitosa é a ação de uns e outros, porque a humanidade necessita de alimento espiritual mais nutritivo do que o que se lhe deu até agora, e esse alimento é o Espiritismo quem lho traz.

Assim sendo, redobrem de fervor seus adeptos mais ilustrados, na divulgação do credo a que desejam servir, e a ação que desenvolverem terá uma eficácia inconcebível, porque nada influi mais a favor de uma Causa Santa do que a desinteressada defesa daqueles que, a ela consagrados, bebem na fonte divina e se constituem auxiliares diretos das Grandes Almas que dirigem a evolução e que os escolheram para seus delegados na Terra.

Angel Aguarod