GRANDES E PEQUENOS PROBLEMAS

PRÓLOGO

A criatura humana, Espirito encerrado em sua tumba de barro, enquanto peregrina pela Terra, não pode ter consciência exata dos estados psicológicos por que passa, nem considerar os assuntos oferecidos ao seu exame de maneira a dispor de um guia seguro para os labores que lhe cumpre executar no mundículo que habitais.

Ora, se para o homem é tão obscuro o que a ele próprio se refere; se impossível lhe é conhecer a casca, a exterioridade enganosa, imaginai o que não será, tratando-se do que tem relação com o plano suprafísico; o que não será, quando se trate do que se relacione com o seu passado e o seu futuro. Que pode saber a criatura humana, por si mesma, no plano físico, falacioso e ilusório, acerca de sua vida "post mortem", de seu destino final? Nada. O homem, na Terra, para as coisas do Espírito, para tudo o que seja de ordem metafísica, é como um cego de nascença. Precisa, a fim de conhecer algo de ordem superior, que a Revelação venha em seu auxílio. Por isso, em todos os tempos, de etapa em etapa, no curso da evolução da espécie humana, hão surgido Reveladores Divinos, com a missão de iniciar e instruir os filhos de Deus nas verdades transcendentais, que, sem esse auxílio, lhes seria de todo impossível decifrar, ou compreender, ou, às vezes, suspeitar sequer.

Mas, com o auxilio da Revelação divina, trazida pelos Messias de Deus e outros servidores seus, tem o homem podido entrar no conhecimento de verdades de ordem metafisica e moral, mediante as quais há tido o guia de que necessitava para avançar no caminho da sua evolução.

Jesus foi um Revelador de primeira plana, não porque haja trazido ao mundo, pela primeira vez, uma parcela da Verdade Suprema, mas pela forma de revestir essa Verdade, colocando-a ao alcance de todas as almas, e por ser também um dos mais excelsos Espíritos, para não dizer o primeiro em elevação e perfeição, de quantos têm descido à Terra, cujo governador supremo é Ele.

O Espiritismo, como bem sabeis, vem completar, com a Revelação dos Espíritos, a obra de Jesus, obra a cuja execução Ele mesmo preside, atuando, sob sua direção superior, todos os Espíritos elevados, investidos na missão de transmitir aos homens, por meio de instrumentos humanos, os esplendentes raios da Suprema Verdade.

Dentre os Espíritos que intervêm na obra da Revelação Espírita destacam-se certas Entidades, cuja missão consiste em iluminar com uma luz mais potente as inteligências preparadas, as inteligências que, havendo transcendido o plano da vulgaridade, se acham em condições de receber alimento espiritual mais nutritivo.

Considerar-me-ia ditoso se pertencesse ao grupo dessas Entidades superiores, que tão elevado labor realizam. Mas, se a tanto não me é possível chegar, posso, todavia, contar-me no número de seus humildes servidores e, como tal, esforço-me por dar às mensagens que transmito aos homens a maior elevação ao meu alcance, ajustando, não obstante, a minha expressão ao que permite a cultura dos veículos de que me sirvo, e daqueles a quem devo doutrinar.

Tempo é já de que no campo espírita se avance um passo na consideração das doutrinas estabelecidas, no seu desenvolvimento e, sobretudo, nas suas aplicações. Sou dos que, na medida do possível, e subordinando-me às ordens de meus superiores, têm o encargo de facilitar esse avanço, preparando a humanidade terrestre para considerar com elevação maior as questões individuais, coletivas e sociais que a interessam, tratando-as com superioridade de vista e sob um molde prático, que não inutilize o labor doutrinário. Porque, de futuro, os Espíritos elevados que se manifestem aos homens abordarão assuntos cuja explanação lhes for confiada, sob aspectos práticos, visto que o tempo das especulações livres e das teorizações já toca a seu termo, para dar lugar a um trabalho de aplicação prática das doutrinas conhecidas, ou que se vão revelando.

Esse o caráter que terão os estudos que me proponho desenvolver na obra a que damos começo.

Posto que o seu titulo fale de grandes e pequenos problemas, não se deve deduzir dai que todos quantos eu chegue a delinear, nas páginas que seguem, não sejam igualmente dignos de atenção e estudo. Os grandes e pequenos problemas devem ser encarados com certa relatividade e segundo a apreciação humana, que pelo tamanho é que principalmente distingue umas coisas de outras, dando mais importância, geralmente, às de maior vulto. Somente deste ponto de vista é que devem ser tidos por grandes e pequenos os problemas a que aludo; pois, em verdade, intrinsecamente, não há problemas grandes nem pequenos, tendo tudo, perante Deus, a mesma importância.

Assim também considerando as coisas, tratarei com o mesmo carinho e solicitude tanto o assunto que, aos olhos de alguns, possa apresentar importância extraordinária, como outro qualquer que, para a generalidade dos homens, seja de menor valia.

Para mim, todos a têm, e, com o mesmo elevado critério, de todos tratarei.

Feitas estas considerações, não me assiste o direito de prolongar este Prólogo. Transporto, pois, o leitor ao corpo da obra, constituído pelas páginas que a estas sucedem. Encontre nelas o alimento espiritual de que necessite sua alma e suficientemente recompensados estarão os meus esforços, com os quais não me proponho senão a concorrer para o bem da criatura humana, obedecendo a Deus.

(Guia Espiritual de) ANGEL AGUAROD

CAPÍTULO I
O PROBLEMA DA INFLUÊNCIA
DO ESPIRITISMO NO MUNDO
 
..1 - PRINCIPAIS FATORES
..2 - CONCORDÂNCIA E DISCORDÂNCIA
..3 - AÇÃO PROVEITOSA, CONSCIENTE E INC.
..4 - DEDUÇÕES E CONCLUSÕES
 
CAPÍTULO II
O PROBLEMA DE AMAR A DEUS
 
..1 - DA INCONSCIÊNCIA À CONSCIÊNCIA
..2 - AMAR A DEUS, AMANDO A SI MESMO
..3 - AMAR A DEUS, AMANDO O PRÓXIMO
..4 - AMAR A DEUS, NA INTEGRIDADE DE SUA OBRA
 
CAPÍTULO III
O PROBLEMA DA JUSTIÇA
 
..1 - O ALVORECER
..2 - A EVOLUÇÃO DO SENTIMENTO DE JUSTIÇA....
..3 - DIVERSAS FORMAS DE EXPRESSÃO DO ...
..4 - A EDUCAÇÃO DO SENTIMENTO DE JUSTIÇA
 
CAPÍTULO IV
O PROBLEMA DA BENEVOLÊNCIA
 
..1 - A TOLERÂNCIA
..2 - A INDULGÊNCIA
..3 - A CONDESCENDÊNCIA
..4 - A BONDADE
 
CAPÍTULO V
O PROBLEMA DA SUBMISSÃO
 
..1 - HUMILDADE E PACIÊNCIA
..2 - A RESIGNAÇÃO
..3 - A CIÊNCIA DA CONFORMIDADE
..4 - A SUBMISSÃO E SEUS FRUTOS
 
CAPÍTULO VI
O PROBLEMA DA PAZ
 
..1 - A GUERRA E SUAS CAUSAS
..2 - DISCÓRDIAS DOMÉSTICAS E SOCIAIS
..3 - A ASPIRAÇÃO À PAZ
..4 - A SUPREMA PAZ
 
CAPÍTULO VII
O PROBLEMA DA CARIDADE
 
..1 - PRELÚDIOS
..2 - FILANTROPIA E BENEFICÊNCIA
..3 - PIEDADE E COMPAIXÃO
..4 - A CARIDADE TRIUNFANTE
 
CAPÍTULO VIII
O PROBLEMA SOCIAL
 
..1 - DESIGUALDADES SOCIAIS
..2 - O PROBLEMA SOCIAL É UM PROBLEMA DE ÉTICA
..3 - OS PRINCIPAIS FATORES DO PROBLEMA
..4 - A SOLUÇÃO
 
CAPÍTULO IX
O PROBLEMA DA SAÚDE
 
..1 - DA ALIMENTAÇÃO E DA HIGIENE
..2 - A ENFERMIDADE E SUA MISSÃO
..3 - DEFESA CONTRA A ENFERMIDADE
..4 - A SUPREMA SAÚDE
 
CAPÍTULO X
ÚLTIMOS PROBLEMAS
 
..1 - AUTO-EDUCAÇÃO
..2 - A VIDA INTERIOR
..3 - A HARMONIA COM O INFINITO
..4 - A SUPREMA VITÓRIA