XXXVII - NA CASA DE SIMÃO

XXXVII - NA CASA DE SIMÃO

Jesus caminhou até a casa de Simão.

Sabendo, por boca de alguns, que Jesus iria pernoitar ali, Levi se dirigiu àquele local. Suado pela caminhada, Levi encontrou Jesus e lhe disse:

— Venho agradecer-te, em nome da tua mãe, Mestre, pela tua presença lá em tua casa.

André estranhou e observou:

— Mas, Senhor, sei que não viajaste, que estiveste todo tempo ao nosso lado...

Jesus colocou a mão no ombro de Levi e disse:

— Que seja feita a vontade do Pai que está nos Céus! Bendito seja o Pai benditos sejam também os anjos que caminham junto a nós! Vem, Levi! Dormirás hoje conosco e amanhã cedo retornarás. Na falta de Ana, passarás a cuidar da minha mãe.

Jesus e os demais adentraram a casa de Simão, uma habitação muito bem edificada. Sentaram-se num banco e Jesus, recostado num pilar, deixou os olhos correrem rapidamente por toda aquela vivenda.

Simão se aproximou e sentou ao lado de Jesus, que colocou a mão no umbro dele. Tendo Simão deitado a cabeça no ombro de Jesus, este disse:

— Bendito sejas Tu, Pai que estás nos Céus! Benditos sejam também aqueles que me deste, aqueles que junto de mim comerão o pão, aqueles que estarão junto a mim para que eu possa passar um novo ensinamento ao mundo!

Fixando Simão, disse:

— Simão Pedro, filho de Jonatas, segue-me!

— Mas, Senhor, tenho a minha família!

— Todos aqueles que a mim seguirão devem deixar a sua família. Todos aqueles que hão de me seguir estarão lavrando a terra, e todo lavrador que ara a terra não pode parar para olhar para trás. Sei que aquele que me seguir perderá a sua vida, mas ganhará o seu fruto, porque rogarei ao Pai para que vá comigo para onde eu for. Sim, porque em verdade vos digo que na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fosse, eu não vo-lo afirmaria.

Todos guardaram com admiração aquelas palavras.

Jesus se encostou num canto e se manteve silencioso por alguns momentos, enquanto todos conversavam, comentando sobre ele, inclusive Levi, que, entusiasmado, lhes falava das curas operadas por Jesus quando mais jovens, das andanças que com ele efetivara.

O silêncio de Jesus permaneceu.

Foram servidos pães, peixes e vinho, e todos comeram, inclusive Jesus, sem pronunciar ainda uma única palavra.

Em certo momento, ainda tomado do seu silêncio, Jesus se recostou a um canto e dormiu.

Simão, preocupado, se apressou a dizer que arranjaria um local mais confortável para o repouso de Jesus, mas Levi se adiantou, dizendo:

— Não te preocupes. Jesus dorme em qualquer lugar.

Viram que Jesus já ressonava, mesmo com o rebuliço de todos ainda comendo e bebendo.

Logo todos se acomodaram por ali e também dormiram.

No amanhecer do outro dia, procuraram Jesus e não o encontraram por ali.

Levi disse:

— Jesus quer que eu vá, mas preciso levar dele algum recado a Maria e não o encontrei.

JOÃO BERBEL