DUPLA VISTA
(segunda vista)

"( ... ) O que se chama dupla vista é ainda resultado da libertação do Espírito, sem que o corpo seja adormecido. A dupla vista ou segunda vista é a vista da alma." (O livro dos Espíritos, P .2, cap.8, q.447. p.237)

( ... ) o fenômeno conhecido pelo nome de segunda vista ou dupla vista ( ... ) é a faculdade graças à qual quem a possui vê, ouve e sente além dos limites dos sentidos humanos. Percebe o que exista até onde estende a alma a sua ação. Vê, por assim dizer, através da vista ordinária e como por uma espécie de miragem.

No momento em que o fenômeno da segunda vista se produz, o estado físico do indivíduo se acha sensivelmente modificado. O olhar apresenta alguma coisa de vago. Ele olha sem ver. Toda a sua fisionomia reflete uma como exaltação. Nota-se que os órgãos visuais se conservam alheios ao fenômeno, pelo fato de a visão persistir, mau grado à oclusão dos olhos.

O poder da dupla vista varia, indo desde a sensação confusa até a percepção clara e nítida das coisas presentes ou ausentes. Quando rudimentar, confere a certas pessoas o tato, a perspicácia, uma certa segurança nos atos, a que se pode dar o qualificativo de precisão de golpe de vista moral. Um pouco desenvolvida, desperta os pressentimentos. Mais desenvolvida mostra os acontecimentos que deram ou estão para dar-se. (O livro dos Espíritos, P.2, cap.8, q.455, p.244)

( ... ) é uma faculdade inerente à espécie humana, por meio da qual Deus nos revela a existência da nossa essência espiritual. ( ... ) (Obras póstumas, P.1, A segunda vista,)

O certo é que o fenômeno da dupla vista revela apenas uma faculdade do indivíduo. E, como resultante do estado de libertação da alma, o exercício dessa faculdade tanto pode ser espontâneo como provocado pela ação magnética, pois, ( ... ) o sonambulismo é um desses estados de libertação. (Magnetismo espiritual, cap.27, p.259)

( ... ) a faculdade de [certos indivíduos] verem as coisas distantes, por onde quer que a alma estenda sua ação; vêem, se podemos servir-nos desta expressão, através da vista ordinária; e os quadros que descrevem e os fatos que narram se lhes apresentam como efeitos de uma miragem. ( ... ) (Magnetismo espiritual, cap.27, p.260)

( ... ) é quase sempre natural e espontânea; parece, entretanto, que se produz com mais freqüência sob o império de determinadas circunstâncias: os tempos de crise de calamidades, de grandes emoções, de tudo, enfim, que sobreexcita o moral, que provoca o desenvolvimento. ( ... ) (Magnetismo espiritual, cap.27, p.261)