PUREZA DOUTRINÁRIA

Controle Científico dos Fenômenos

Quando se val fazer uma pesquisa, no campo da mediunidade, é de absoluta importância submeterem-se as manifestações a um controle objetivo, tanto científico quanto possível. Devemos ser os primeiros a desejar eliminação das causas de dúvida. Só poderemos convencer alguém quando apresentarmos o fato observado e estudado criteriosamente. Queremos enfatizar que não estamos propondo tal controle para todas as reuniões mediúnicas, de qualquer modalidade, psicofônicas ou psicográficas, públicas ou privadas.

Frisamos bem: o controle é necessário nos trabalhos de pesquisa, visando obter provas. Por exemplo: as sessões de materialização, efeitos físicos, fotografia espírita, transportes de objetos, transfiguração ou semelhantes precisam ser submetidas a controle rigoroso.

Essas sessões não visam trazer conforto ou consolo; buscam a prova da sobrevivência do espírito. Caem no campo das ciências e precisam seguir seus métodos e técnicas. Obviamente, uma sessão de materializaçâo não deve ser utilizada para levantar fundos para obras assistenciais, ou aproveitar o Espírito materializado (com que dificuldades!) para proceder a curas, dar passes etc ..

As verdades da Ciência são, de fato, relativas, mas representam o conceito atual do assunto. O Espiritismo deve acatar as explicações e manter uma seqüência de teorias lógica e racional. É postulado que Kardec sempre defendeu: "Os fatos que a ciência demonstra peremptoriamente não podem ser negados por nenhuma crença religiosa.

A religião ganha tanta autoridade, acompanhando a ciência em seus progressos, tanto quanto a perde, caprichando em ficar atrás, ou repelindo verdades científicas em nome de dogmas, que jamais poderá prevalecer contra as leis naturais, nem principalmente anulá-las." (Obras Póstumas - 1 ª parte - Manifestações de Espíritos - item 7.)

A mesma opinião esposa Gabriel Delanne: "O Espiritismo dá-nos a conhecer a alma; a ciência nos descobre as leis da matéria viva. Trata-se, portanto, para nós, de conjugar os dois ensinos, mostrar que eles mutuamente se auxiliam, se completam, tornam-se mesmo inseparáveis e indispensáveis à compreensão dos fenômenos da vida física e intelectual, por isso que de uma tal concordância resulta, para o ser humano, a mais esplêndida de quantas certezas lhe seja facultado adquirir na Terra." (A Evolução Anímica - Introdução - Gabriel Delanne - Edição F.E.B.)

É preciso que façamos desaparecer a idéia de antagonismo entre Espiritismo e Ciência. A verdadeira Ciência não hostiliza o Espiritismo, pois ela não é sectária, não se manifesta ao sabor de opiniões pessoais. Por sua vez, o Espiritismo não pode ir contra a Ciência, pois é nela que ele buscou as bases objetivas de sua doutrina e, de acordo com ela, estabelecerá as novas explicações dos fatos psíquicos.

Não confundamos a opinião individual de alguns com as verdades científicas. Ninguém tem o direito de se revestir com o manto da Ciência para atacar pontos de vista filosóficos, inteiramente fora de sua alçada.

Um químico, por exemplo, deve ter sua opinião respeitada e acatada, desde que fale dos assuntos da sua especialidade, mas, quando se propõe a formular teorias e dogmatizar sobre religião, o faz sem nenhuma autoridade. Assim, também as religiões não têm competência para refutar teorias científicas, quando se trata de questões de ordem material.

Ary Lex