SONAMBULISMO

É um estado de independência do Espírito, mais completo do que no sonho, estado em que maior amplitude adquirem suas faculdades.

A alma tem então percepções de que não dispõe no sonho, que é um estado de sonambulismo imperfeito.

No sonambulismo, o Espírito está na posse plena de si mesmo. Os órgãos materiais, achando-se de certa forma em estado de catalepsia, deixam de recebam as impressões exteriores.

Esse estado se apresenta principalmente durante o sono, ocasião em que o Espírito pode abandonar provisoriamente o corpo, por se encontrar este gozando do repouso indispensável à matéria. (O Livro dos Espíritos)

Para o Espiritismo, o sonambulismo é mais do que um fenômeno psicológico, é uma luz projetada sobre a psicologia. É aí que se pode estudar a alma, proque é onde ela se mostra a descoberto. (...) (O Livro dos Espíritos)

( ... ) o sonambulisamo é um estado transitório entre a encarnação e a desencarnação, um estado de desprendimento parcial, um pé antecipadamente posto no mundo espiritual. (Obras Póstumas, P.1, Controvérsias ... , p.92)

"O sonambulismo não é nem um estado de vigília, nem um estado de sono rigorosamente falando; é uma combinação desses dois estados. É um modo particular de existir. ( ... )" (Magnetismo Espiritual, cap.11, p.102)

Aubin Gauthier, sobre a significação da palavra sonambulismo, diz que ela e francesa, constituída de dois vocábulos latinos: somnus e ambulatio. Significa pois a ação de andar dormindo, e foi criada para indicar o fenômeno do sonambulismo natural. A palavra somente é encontrada nos dicionários franceses a partir de " sonambulismo magnético surgiu em 1784; e, na falta de outra expressão, foi usado o mesmo vocábulo sonambulismo para indicar o novo fenômeno. Depois dessa época, diversas outras palavras foram propostas, tendo, porém, prevalecido as expressões sonambulismo natural e sonambulismo magnético. (Magnetismo Espiritual)

Sonambulismo Artificial

( ... ) é [aquele] provocado pelo magnetismo. ( ... )

O sonambulismo magnético [ou artificial] é comumente caracterizado por sensibilidade da pele; pode-se impunemente picar o adormecido, beliscá-lhe, provocar queimaduras: ele não desperta nem dá qualquer sinal de sofrimento (O fenômeno Espírita, p.1 03)