NOSSAS  OBRAS

Emmanuel

Nossas obras são os sinais que endereçamos ao mundo que nos cerca.

Por elas, criamos, no círculo em que vivemos, pensamentos, palavras e ações que, por força da Lei, reagem sobre nós, deprimindo-nos ou levantando-nos, iluminando-nos o coração ou obscurecendo-nos a mente, segundo o bem ou o mal em que se estruturam.

                                                              -*-

Não te esqueças de que a nossa trajetória, entre as criaturas, fala silenciosamente por nosso espírito.

                                                              -*-

Não é preciso que a nossa língua se desarticule na exposição desvairada do sofrimento, para recebermos a cooperação dos nossos vizinhos, porque se a nossa plantação de simpatia e trabalho está bem tratada, a assistência espontânea do próximo vem, de imediato, ao nosso encontro.

                                                              -*-

Por outro lado, não é necessário o nosso mergulho nas alegações brilhantes do desculpismo, para inocentar-nos à frente dos outros, porque, se as nossas obras não são recomendáveis, a própria vida, na pessoa dos nossos semelhantes, no relega a transitório abandono, a fim de que, na conseqüência purgatorial de nossos próprios erros, venhamos a curtir a provação amarga que nos restaurará o equilíbrio à maneira de remédio precioso e salutar.

                                                              -*-

Não olvides que os nossos atos são as legítimas expressões do idioma pessoal, no campo do mundo.

Faze o bem e a luz sorrirá com a tua alegria.

                                                              -*-

Faze o mal e dor chorará com as tuas lágrimas.

                                                              -*-

Disse Jesus: - “Pelos frutos conhecereis...” e, consoante os princípios que nos regem a luta, as nossas próprias obras falarão por nós, à frente da Humanidade, decretando a nossa ascensão ou a nossa queda, nossa bem-aventurança ou nossa aflição

 

 

 

Livro – Abençoa Sempre – Francisco Cândido Xavier – espíritos diversos

Digitado por – Valeria Guida