NATAL

 

Irene S. Pinto

 

              Grande bolo à mesa.

              A árvore linda em festa.

              O brilho da noite empresta;

              Regozijo ao coração...

              É como se a Natureza

              Trouxesse Belém de novo

              Para os júbilos do povo

              Em doce fulguração.

 

              Tudo é bênção que se enflora,

              De envolta na melodia

              Da luminosa alegria

              Que te beija a segue além...

                   Mas se reparas, lá fora,

                   O quadro que tumultua,

                   Verás quem passa na rua

                   Sem ânimo e sem ninguém.

 

                   Contemplarás pequeninos

                   De faces agoniadas,

                   Pobres mães desesperadas,

                   Doentes em chaga e dor...

                   E, ajudando aos peregrinos

                   Da esperança quase morta,

                   Talvez enxergues à porta

                   O Mestre pedindo amor.

 

                   É sim!... É Jesus que volta

                   Entre os pedestres sem nome,

                   Dando pão a quem tem fome,

                   Luz às trevas, roupa aos nus!

                   Anjo dos Céus sem escolta,

                   Embora a expressão serena,

                   Tem nas mãos com que te acena

                   Os tristes sinais da cruz.

 

                   Natal! Reparte o carinho

                   Que te envolve a noite santa

                   Veste, alimenta e levanta

                   O companheiro a chorar.

                   E, na glória do caminho

                   Dos teus gestos redentores,

                   Recorda por onde fores

                   Que o Cristo nasceu sem lar.

 

LIVRO ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos

Digitado por: Lúcia Aydir – SP/08/2005.