SIMÃO,  O  MENDIGO

  

João de Deus

 

 

              Doente, pobre, velhinho,

              o desditoso Simão,

              arrimado a seu bordão,

              andava devagarzinho...

 

              Pés e mãos em chaga aberta,

              lá ia o velho coitado!

              enfermo, desamparado

              e humilde na estrada incerta.

 

              Cabelo todo branquinho

              rugosa a face morena,

              o pobre metia pena

              a vagar pelo caminho...

 

              De onde viera? Ora, quem

              buscava saber ao certo?

              vinha de longe ou de perto?

              ninguém sabia, ninguém.

 

 

              Só lhe sabiam do nome,

              e que, em miséria, sem nada,

              ele esmolava na estrada,

              a fim de matar a fome.

 

              Estendendo seu chapéu,

              pedia, cheio de dor:

- Uma esmola, meu senhor,

              por amor ao Pai do Céu!...

 

              Mas, oh! Deus, que desalento

              neste mundo de aflição!

              Ninguém ouvia Simão

              nas horas do sofrimento.

 

- Passai de largo! É leproso!...

              Diziam homens cruéis –

- Oh! Não vos aproximeis

              deste ancião perigoso!...

 

- Ah! Que graça! Põe-te à brisa! –

              exclamava outro passante –

              nada de esmola ao tratante,

              que este velho não precisa!...

 

              O mendigo, nos seus ais,

              dizia: - Viva a saúde!

              Trabalhei enquanto pude,

              agora, não posso mais...

 

              Toda a gente lhe fugia,

              ninguém lhe dava uma sopra,

              nem um trapinho de roupa

              para a noite da agonia.

 

              Muito tempo era passado,

              e o desditoso velhinho

              sentia-se mais sozinho,

              mais doente, mais cansado...

 

              Chegou, enfim, um momento

              em que o velho sofredor

              caiu de frio e de dor

              na estrada do sofrimento.

 

              Caiu e sonhou, contente,

              embora a sede e o cansaço,

              que Jesus vinha do Espaço

              dizendo-lhe, docemente:

 

              “– Escuta, meu bom Simão,

              não temas, querido amigo!

              sê forte! Eu estou contigo.

              chegaste à ressurreição.

 

              Não chores. Estou aqui!...

              terminou tua aflição,

              estás em meu coração!

              pensavas que te esqueci?

 

              Enquanto o mundo enganado

              atormentava-te ao peso

              de zombaria e desprezo,

              eu sempre estive ao teu lado.

 

              Teus prantos e tuas dores

              são, hoje, a luz que te veste

              no campo do amor celeste,

              repleto de eternas flores”.

 

              E Jesus, em voz mais terna,

              concluía: - “Vem Simão,

              à doce consolação

              do mundo de luz eterna!...

 

              E Simão, chorando e rindo,

              a seguir, ditoso, o Mestre,

              esqueceu a dor terrestre,

              no céu venturoso e lindo.

 

              O caminho era de estrelas

              de tão sublime matiz

              que o pobre ria, feliz,

              sem saber como entende-las.

 

              No outro dia, ao reconforto

              acharam Simão sem vida...

              o mendigo estava morto.

 

 

LIVRO ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos

Digitado por: Lúcia Aydir – SP/08/2005.