NATAL  NA  ALDEIA

  

Espírito: ANTONIO CORRÊA D´OLIVEIRA.

 

 

     Natal!...O trigo na Azenha,

     Água correndo a cantar!...

     A lareira pede lenha,

     Fagulhas brincam no ar.

 

     Natal! Ah! Saudade minha!...

     Cantiga do coração!...

     A teleiga de farinha

     Amassa a estriga do pão.

 

     Na sombra que envolve a terra,

     Outeiros acendem lume.

     Do braçal que se descerra

     Chegam vagas de perfume.

 

     À janela, erguem-se vozes...

     - “Pastores ternos, quem sois?...”.

     Meninos voam às nozes;

     Quanta alegria depois!...

     Na sala que se alvoroça,

     Surge um velho sem ninguém.

     Diz o dono: “A casa é vossa

     E a mesa é vossa também...”“.

 

     Provida e grande candeia

     Faz luz sob o teto morno:

     Espalha-se em toda a aldeia

     O alegre cheiro de forno.

 

     Há canções claras e puras,

     Nas sabes tintas de breu:

     - “Glória ao Senhor nas Alturas!...

     Hosanas!... Jesus nasceu!...”“.

 

     Um mocho pia de leve

     No velho beiral vizinho...

     Não sei se é chuva ou se é neve

     Que o vento lança ao caminho!...

 

     Meia-noite!... Dons supremos!...

     Calam-se os próprios lebréus.

     Roga a avozinha: - “Louvemos!...

     Pai nosso que estás nos Céus!...””.

 

     Soluços da alma contente...

     Doce visão do Natal!...

     Deus vos salve eternamente,

     Lembranças de Portugal!

 

LIVRO ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos

Digitado por: Lúcia Aydir – SP/08/2005.